Xenofobia e humanidade não combinam, por Paiva Netto

Paiva Netto
O duplo atentado ocorrido em 22 de julho, na Noruega, que vitimou 77 pessoas, merece da sociedade toda a atenção. Segundo o noticiário, a xenofobia está na motivação dos ataques. É realmente lamentável! Já era para termos aprendido a lição. Excluir criaturas humanas não combina com humanidade.
Em minha página "A miscigenação do mundo é inevitável", publicada em "Crônicas e Entrevistas" (Editora Elevação, 2000), defendo a tese de que o nosso destino é mesmo a mestiçagem, o multiculturalismo, tornando-se portanto sem propósito qualquer tipo de discriminação. Naquela oportunidade, fim do século 20, assim escrevi:
(...) Vai ficar difícil abrir mão da Humanidade, como parece que alguns radicalmente pretendiam fazer com a nova globalização: mais produtos e menos trabalhadores produzindo e transitando pelo planeta. Marcante exemplo é o da União Europeia, com seus arroubos de xenofobia, menos para turistas… Ela está constatando a contingência de ter de "importar" gente, ainda que, em alguns casos, por curtos períodos, para realizar serviços de que os seus nativos dolicocéfalos não mais querem saber e para suprir as necessidades de uma população que está envelhecendo. Alguns vivem arrepiados com os "perigos" da fusão étnica; contudo, empresários e políticos sentem como fatalidade histórica a presença dos "estrangeiros" mesmo que sejam de gerações nascidas por lá, principalmente os de cor de pele distinta. Não há como indefinidamente impedir que revoluções sociais e humanas dessa envergadura, em diversas grandezas, se cumpram. Na atualidade, de certa forma vemos repetir-se, em direção inversa, mas talvez de maneira mais dolorosa, o fenômeno da imigração. Antes a onda era emigrar da Europa e da Ásia para a América. Resumindo: italianos, japoneses, alemães, poloneses, russos, judeus, árabes, ibéricos, para a do Norte e a do Sul, somando-se irlandeses e chineses para a Setentrional. E não chegaram por aqui e lá, na imensa maioria, como senhores, porém, como servidores braçais, à exceção de gente como Einstein e Fermi. Pelo sacrifício e suado labor, subiram ao topo e se estabeleceram. Recordo-me de uma afirmação do filósofo do Positivismo Augusto Comte (1798-1857), cujo pensamento tanta influência exerceu sobre os fundadores da República brasileira, a começar por Benjamin Constant (1836-1891): "O homem se agita, e a Humanidade o conduz". Alziro Zarur (1914-1979) perguntava então: "E quem conduz a Humanidade?". E ele próprio exclamava: "Deus!".
E assim eu terminava aquele artigo de 2000.
Hoje, em 2011, o Brasil volta a atrair o interesse de imigrantes, pois estamos precisando de valores especializados para as novas exigências do desenvolvimento do país, enquanto preparamos, com atraso, nossa própria gente.
CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS
Muito providencial, pois, o programa "Ciência sem Fronteiras", lançado pela presidenta Dilma Rousseff, no dia 26 de julho.  Uma ação que pretende conceder cem mil bolsas de intercâmbio para estudantes e pesquisadores brasileiros em modalidades do nível médio ao pós-doutorado.
De acordo com o ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, terão prioridade as áreas de engenharia, ciências exatas, biológicas e da saúde, além da computação e da tecnologia da informação.
A presidenta Dilma comentou que, ao se reconhecer que há falhas e fraquezas na formação de ciências exatas, engenharias e saúde, "damos um passo para o fortalecimento. Essa iniciativa é fundamental para o futuro".
Nossa nação possui robustez para imenso progresso. E de fato não se pode deixar de dar aos cidadãos, independentemente de sua classe social, o devido acesso à boa educação e ao ensino de qualidade. Sem esquecermos também da imprescindível Espiritualidade Ecumênica, com os mais nobres princípios morais e éticos, base do Ser Humano de bom caráter.
Ao "Ciência sem Fronteiras", o nosso voto de sucesso.
José de Paiva Netto é jornalista, radialista e escritor.


--
Artigo ( 2  )  Tempo de repensar no divã
Paiva Netto
Na quinta-feira da próxima semana, 1o de setembro, lançarei o livro "Jesus, o Profeta Divino", durante a 15ª edição da Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, no Riocentro. A festa literária se prolongará até o dia 11.
Trata-se do quarto volume da série de palestras "O Apocalipse de Jesus para os Simples de Coração", a qual proferi a respeito do Apocalipse no rádio e na TV.
"Jesus, o Profeta Divino" é mais uma contribuição aos que discutem seriamente o tema profético acerca do Fim dos Tempos.
O Cristo, os profetas bíblicos, os vates das religiões e muitos pesquisadores, crentes ou ateus, cada um a seu modo, falam sobre ou analisam a possibilidade de uma grande mudança ou monumental reforma em tudo o que conhecemos como sociedade e aspecto físico deste orbe.
Apresento despretensiosamente no livro elementos dessas transformações. Elas se realizarão, creiamos nós ou não creiamos nelas? Quando?! Não sei... porém deixo à reflexão dos estimados leitores.
O Tempo das grandes mudanças, no entanto, pode estar em pleno curso. Elas são inevitáveis, desde as simplesinhas às mais complexas?
Muitos estremecem ante a perspectiva da escassez e do alto preço dos alimentos; da falta de água potável; do fim do petróleo; da explosão populacional; do ferimento da camada de ozônio; do aquecimento global; da forte queda da umidade relativa do ar, afetando garganta, narinas, olhos, cabeça — os pais das crianças que o digam... —, entre outras ameaças.
O centro da Economia Altruísta
Na entrevista que concedi ao meu velho amigo Paulo Parisi Rappoccio, jornalista italiano, radicado no Brasil, em 10 de outubro de 1981, reafirmo:
(...) O ser humano, com seu Espírito Eterno, é o centro da Economia Altruísta, a geratriz de todo o progresso. Sem ele, não há o trabalho nem o capital.
A riqueza de um país está no coração do seu povo. No entanto, nações inteiras ainda sofrem miséria. Convém lembrar que barrigas vazias e Espíritos frustrados geralmente não estão dispostos a ouvir. (...)
Numa época em que pelo avanço da tecnologia as expectativas de produção ficam ultrapassadas, a fome é realmente um escândalo! Não somente a do corpo, como também a de conhecimento, isto é, Educação, sem a qual nenhum povo é forte. Anacronicamente, nunca o mundo conheceu, por um lado, tanta fartura e, por outro, tanta miséria. Está faltando Solidariedade à Economia. Até que o último dos seus filhos tenha as condições mínimas para uma vida digna, qualquer país não será uma nação independente, mas apenas escrava das limitações que a si mesma se impõe. Os impedimentos de ordem interna são mais prejudiciais ao progresso de sua gente que os de ordem externa (...). Se um povo não se prepara, como ele vencerá?
Profundas reformas
Vejam o que ocorre, agora mesmo, no campo econômico-financeiro, por consequência social, a partir da mais potente nação da Terra na atualidade, os Estados Unidos, sem falar na Europa. O capitalismo está se repensando no divã, lugar por onde ainda passa o socialismo.
Alziro Zarur (1914-1979) costumava dizer, há mais de cinquenta anos, que o poder se tornaria fluídico nas mãos dos poderosos. E assim escaparia entre os dedos deles.
Hoje, século 21, os Estados nacionais flagrantemente não têm mais a força de outrora. Poder-se-ia afirmar que "o mundo está à beira de um precipício". Mas isso é um velho chavão. Todavia, certos conceitos vão mudar profundamente. Aliás, já estão sendo revistos.
Vivemos tempos de crise e esta sempre implica alguma modificação, no decorrer dela ou em seguida.
Endereço da 15a Bienal do Livro — Riocentro, Av. Salvador Allende, 6.555, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro/RJ.
José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor.
Compartilhe no Google Plus