Assembleia Cultural completa 70 edições

Setenta edições comemoradas em grande estilo, ao som da boa música produzida no Rio Grande do Norte e no Brasil, num ritmo que contagiou o público do início ao fim das apresentações. Fazer do cotidiano pura poesia com abordagem de música de câmara e, por outro, transformar o clássico Pau de Arara, do rei do baião Luiz Gonzaga em chorinho, tudo com muita criatividade, talento e alegria. Esse foi o clima da Assembleia Cultural, na noite desta quarta-feira (28), lotando o Salão de Eventos da Assembleia Legislativa. Noite que teve a marca dos grupos 3 da Matina e Linha de Passe.
O primeiro a subir ao palco foi o quinteto 3 da Matina, que fez um show totalmente autoral, que já é sua marca, com "abordagem de câmara" para a música que é feita no RN, como destaca o poeta e vocalista Caio Padilha, filho do também músico Almir Padilha. O grupo formado em 2009 já teve seu show selecionado pelo Cena Aberta para temporada no Centro Cultural Casa da Ribeira e já tem uma agenda regular de shows mais fora do que dentro do Estado, principalmente em Fortaleza e Recife. Além de Caio (voz e violão), compõem o quinteto Leonardo Medina (cello), Iury Matias (guitarra), Fidja (bateria) e Kleber Desoles (sax/clarinete).
            O projeto que desde 2003 vem apoiando o talento artístico potiguar foi citado por Caio: "Aqui a gente tem uma grande proximidade e interatividade com o público. Espero que essa iniciativa da Assembleia se multiplique, porque nos bares e casas de show locais geralmente tem mais espaço pras bandas covers".
Linha de Passe
            O quarteto que desde 2008 vem conquistando fãs com seu samba "refinado", revisitando obras de Nelson Cavaquinho, Cartola, Paulinho da Viola, Chico Buarque, entre outros, abriu recentemente o show do Demônios da Garoa, em sua passagem por Natal, e desfilou nesta noite os clássicos do samba e composições próprias.
O Linha de Passe, formado pelos amigos Ayrton Neto (voz e percussão), Alex Amorim (voz e percussão), João Henrique (voz e cavaquinho) e Stênio Medeiros (voz e violão) tem uma agenda fixa de shows nos bares mais badalados de Natal e vem tocando também em festas fechadas. A expectativa agora dos seus integrantes é com o festival MPBeco, onde irão concorrer com uma música se apresentando na primeira eliminatória. Em paralelo, foi realizada a exposição Sensibilidade e devaneio de Pincéis, no Salão Nobre da AL.
Compartilhe no Google Plus