Revista EXAME destaca investimento de 4 milhões de dólares no setor mineral do RN




A edição número 23 da revista Exame, em circulação nessa quinzena, traz matéria especial com destaque para investimento de 4 milhões de dólares na exploração de tungstênio (scheelita) no município de Bodó, região Seridó do Rio Grande do Norte, a 188 quilômetros de Natal. O investimento está sendo administrado pelo fundo FKG (Farallon Krepel Goldberg) e a expectativa é que o capital seja multiplicado por 18 até 2020.

A reportagem é um perfil do investidor Daniel Goldberg, 36 anos, que já foi advogado, perseguiu cartéis no governo Federal quando foi titular da Secretaria de Direito Econômico, em 2003, por indicação do ministro da Justiça, Marcio Thomaz Bastos, presidiu o banco de investimento Morgan Stanley e, agora, Daniel Goldberg está em sua quarta carreira em mais este negócio e administrando o FGK, fundo de 1 bilhão de dólares.

Para descobrir a potencialidade do minério localizado em Bodó, um time de especialistas pesquisou a quantidade de tungstênio presente nas dunas da região e confirmou a viabilidade econômica do projeto. Os recursos destinados à exploração já começaram a ser investidos e a ideia é aproveitar a euforia em torno da busca por terras raras e outros minérios cuja demanda vem sendo impulsionada pela China.

Na análise do fundo, o fato da China ser o maior produtor mundial com alto consumo de tungstênio o minério está faltando no mercado. Administrador do FKG, o advogado Daniel Goldberg, acredita que essa é a oportunidade para ganhar dinheiro com o minério, uma vez que o preço do tungstênio subiu dez vezes na última década.

Para o secretário do Desenvolvimento Econômico, Silvio Torquato, o setor mineral do RN vive um momento positivo de atração de investimentos. O RN tem que aproveitar a oportunidade e a perspectiva para ampliar cada vez mais as oportunidades do setor mineral. O Governo trabalha para dar todas as condições para os investidores se sentirem bem recebidos e terem um ambiente propício para os negócios.

Com um capital de 1 bilhão de dólares, o FKG é um fundo dedicado a colocar dinheiro nos chamados investimentos exótico projetos que não são atendidos por bancos nem pelos fundos de investimentos tradicionais - no Brasil e em outros países da América Latina.

MINERAÇÃO

No atual governo, o Rio Grande do Norte voltou para o mapa da mineração do Brasil. A prova é que algumas fábricas e minas já estão em plena atividade no interior e a perspectiva é que este segmento coloque o RN em destaque no cenário nacional.

Já foram instaladas seis novas indústrias. Em Santana do Seridó, a Prime Mineração, a Casa Grande Mineração, em Parelhas, em Apodi, a Limestone do Brasil. A Mineração Currais Novos, naquela cidade. A Mineradora Nosso Senhor do Bonfim, em Lajes e a Mizu Cimentos, que está dinamizando a economia na região de Baraúna.

Até o final de 2014 serão mais de R$ 2 bilhões em investimento no setor da mineração do RN.

ASSESSORIA
Compartilhe no Google Plus