EUA não estão interessados em vigiar pessoas comuns'

  • Pablo Martinez Monsivais/AP
    O presidente dos EUA, Barack Obama, durante coletiva em que anunciou medidas para aumentar a transparência dos programas de vigilância e recuperar a confiança dos norte-americanos
    O presidente dos EUA, Barack Obama, durante coletiva em que anunciou medidas para aumentar a transparência dos programas de vigilância e recuperar a confiança dos norte-americanos
Em entrevista coletiva concedida na tarde desta sexta-feira (9) na Casa Branca, em Washington (EUA), o presidente Barack Obama anunciou medidas para aumentar a transparência dos controversos programas de vigilância e, assim, reforçar a confiança dos norte-americanos nas ações da Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês).
Os detalhes do vasto programa de espionagem dos EUA foram revelados por Edward Snowden, um ex-funcionário do setor de inteligência da NSA. Snowden conseguiu asilo político na Rússia na última semana.
Embora Obama tenha reafirmado que não considera o programa abusivo, o democrata disse que entende a "apreensão" da população.
"Não é suficiente para mim, como presidente, ter confiança nesses programas. O povo americano tem que ter confiança também. Nós podemos e devemos ser mais transparentes", disse Obama. "E, para os outros em todo o mundo, quero deixar claro, mais uma vez, que os Estados Unidos não estão interessados em vigiar as pessoas comuns", continuou.
UOL
Compartilhe no Google Plus