Sequestro em Brasília termina depois de 7 horas


 A Bomba era falsa

Um homem faz um funcionário de um hotel refém desde a manhã desta segunda-feira no Setor Hoteleiro Sul, região central de Brasília. Afirmando ser um terrorista, o sequestrador colocou um colete com supostos explosivos na vítima e ameaça detoná-los no hotel St. Peter. Ele ameaça ainda a vítima com uma pistola.

Três homens da Polícia Civil tentam negociar a rendição do sequestrador, que, pede a aplicação imediata da lei ficha limpa e extradição de Cesare Battisti.

O sequestrador deu um prazo até às 18 horas para aceitarem as exigências. Ele aparenta estar mais nervoso, e jogou algo que parecia ser uma bolinha de papel em uma das vezes que saiu na sacada.

O homem, que se hospedou no St. Peter às 6 horas desta segunda-feira, está em um quarto do 13º andar do hotel e leva o refém com frequência para a sacada. O funcionário, que aparenta ter cerca de 60 anos, mostra as algemas para fotógrafos e cinegrafistas que estão em frente ao prédio.

A polícia, até agora, não conseguiu identificar se o artefato amarrado ao refém é explosivo. “Se for, é uma quantidade grande de explosivo, que poderia causar danos à estrutura do hotel”, diz o delegado Paulo Henrique Almeida, diretor de Comunicação da polícia. Os negociadores tentam convencer o sequestrador que sua integridade física será garantida caso ele se entregue. 

Policiais encontraram no Tocantins uma carta de despedida escrita pelo sequestrador há três dias na qual pede desculpas para a família e amigos. Ele avisa, no texto, que cometerá um ato desesperado porque quer mudar o panorama político do Brasil. Afirma ainda que "depois da tempestade vem a bonança".

Os hóspedes do St. Peter foram comunicados por volta de 9h30 que deveriam evacuar o hotel. “Por volta de 9h30 eu estava no quarto e pediram para sair rápido por causa de um vazamento de gás. (…) No térreo que ficamos sabendo que um sujeito fez refém uma camareira e que um mensageiro do hotel teria se colocado no lugar”, relatou o médico Yoshio Asanuma, que participava de um congresso de cardiologia no hotel.

TERRA
Compartilhe no Google Plus