“Quadro é adverso para Henrique Alves no 2º turno”, avalia cientista político




Cientista político da UFRN prevê que Robinson receba boa parte dos eleitores de Robério Paulino


O cientista político João Emanoel Evangelista, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), avalia que, no segundo turno da disputa eleitoral pelo governo do Rio Grande do Norte, o quadro é adverso para o atual presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, candidato do PMDB, sendo, portanto, favorável ao candidato do PSD, Robinson Faria, que, na sua visão, reúne as melhores condições de se eleger governador no pleito deste ano. Diferentemente das análises que atribuem exclusivamente ao desempenho do candidato do PSOL, Robério Paulino, a realização da eleição em dois turnos, Evangelista destaca a votação de Robinson no primeiro turno como excepcional, diante do gigantismo político e estrutural da campanha de Henrique.

Henrique teve 702.196 votos, contra 623.614 de Robinson. No total, o peemedebista somou apenas 4% de votos a mais que Robinson – percentual muito pequeno. No percentual dos eleitores que compareceram às urnas, Henrique teve 36,29% dos votos, contra 32,23% de Robinson. “Acho que Robinson teve um desempenho muito positivo. Robinson, com todas as dificuldades, poucos apoios políticos locais e toda a fragilidade financeira, teve uma votação espetacular para o contexto”, analisa Evangelista.

Apesar do bom desempenho eleitoral de Robinson, Evangelista considera fundamental a votação de Robério para o quadro de segundo turno. O candidato do PSOL somou 129.616 votos, ou 6,70% dos votos dos eleitores que compareceram às urnas. Na visão do cientista político, o destino dos votos de Paulino será decisivo no segundo turno. “Uma parte desses votos tende a aumentar a abstenção, em geral acontece assim no segundo turno. E o que sobrar de Robério provavelmente vai para Robinson”, diz.

A avaliação de Evangelista se baseia em dados de pesquisas divulgadas no primeiro turno que mostram que os eleitores indecisos têm maior rejeição a Henrique. “Além disso, vi diversos casos de eleitores que manifestaram que iriam votar em Robério no primeiro turno e em Robinson no segundo. Claro que são manifestações individuais, não posso precisar o montante de eleitores com esse perfil. Mas, minha impressão é que uma parte desses votos de Robério tende a ir para Robinson. Mais do que para Henrique”, declara.

Na visão do professor, o debate agora “é saber se esse percentual será suficiente para Robinson virar, ou não”, já que, pela votação em primeiro turno, Henrique venceu o pleito com mais de 70 mil votos a mais que Robinson. “É outra discussão. Mas eu diria que o quadro é mais adverso para Henrique que para Robinson”, afirmou.

ESTRATÉGIA FALHA

Na visão do cientista político, o quadro também tende a ser adverso para Henrique no segundo turno porque a estratégia eleitoral do peemedebista foi totalmente construída em cima da possibilidade de vitória no primeiro turno. “Com um amplo leque de alianças, com praticamente todas as forças políticas do Estado, a estratégia de Henrique era ganhar no primeiro turno. Como não ganhou no primeiro turno, corre risco grande de que tenha um resultado adverso no segundo”, alerta.

Além disso, a estratégia dos “acordinhos municipais”, costurados por Henrique com governistas e oposicionistas nos municípios, falhou, já que o povo dificilmente acompanha os líderes locais no voto majoritário para governador, senador e presidente da República. “Eu sempre dizia que Henrique tinha algumas dificuldades. A primeira é a rejeição ao nome dele, que é histórica na disputa majoritária. A segunda é que a aliança dele não levou em consideração a dinâmica política local nas pequenas cidades”.

Evangelista explica que nos municípios, quando se trata de voto majoritário, as lideranças não têm o controle absoluto sobre o voto do eleitor. “São duas facções que se digladiam de forma constante, porque as eleições ocorrem de dois em dois anos. Aí juntar partes, que são adversárias, no mesmo palanque, para parte do eleitorado era inadmissível. Por isso que, em que pese essa aliança, em muitos municípios terminou com o voto majoritário em Robinson”.

“Acordinhos de Henrique falharam nos municípios”

Classificado de “acordinhos municipais” pelo candidato Robinson Faria, em referência ao que chamou de “acordão de Henrique” -, a tentativa de reunir adversários municipais em palanque único pró-Henrique falhou em grandes colégios eleitorais, como Mossoró, Pau dos Ferros, Assu, Parnamirim e outros. Em Mossoró, contando com a maioria das lideranças locais, Henrique perdeu por diferença superior a 20 mil votos para Robinson. Além disso, na capital do Oeste, os candidatos a deputado estadual e federal do chamado “acordão” perderam a eleição, a exemplo dos deputados Sandra Rosado (PSB), Leonardo Nogueira (DEM) e Larissa Rosado (PSB), integrantes do arco de aliança a favor de Henrique, que não conseguiram se reeleger. A ex-prefeita Fafá Rosado (PMDB), que disputou uma vaga de deputada federal, teve votação pífia. Em Pau dos Ferros, Henrique reuniu o grupo do deputado Getúlio Rego (DEM) e o do ex-deputado Elias Fernandes (PMDB), tradicionais rivais. Mas lá, Robinson também venceu.

Evangelista diz que o fenômeno da rebeldia dos eleitores, que não seguiram majoritariamente seus líderes nesses municípios, favorecendo Robinson, aconteceu porque a liderança local não tem o controle sobre o voto majoritário, principalmente para presidente, senador e governador. “Esse controle é exercido melhor nos votos de deputado federal e estadual, que é o voto que assegura a sobrevivência política, seja do prefeito ou do vereador na eleição seguinte”, diz, acrescentando que a manutenção da liderança e a fidelidade é o que assegura a reeleição dos políticos, de um lado e de outro. “As lideranças locais têm controle efetivo apenas dos votos de deputado federal e estadual. Porque o voto do eleitor tem gradação de liberdade, ou autonomia. Atende ao apelo do líder local para os candidatos a deputado federal e estadual, até para não obstruir os canais de comunicação quando precisa da atenção da prefeitura ou da política assistencial feita pelos vereadores. Mas, o voto majoritário, o eleitor tem relativa autonomia, define como quer”.

WILMA TV UNIÃO
Compartilhe no Google Plus