Bandidos montam barricada e fazem arrastão em via de acesso ao novo aeroporto


87o87o7o

Parece que os bandidos de Natal estão “adotando” estratégias utilizadas em outros Estados. Nas últimas semanas, alguns casos de arrastões no trânsito foram vistos pelo Brasil, principalmente no Rio de Janeiro, na chamada “Linha Vermelha”. Na madrugada desta segunda (29), uma quadrilha fez o mesmo na capital potiguar. Homens armados com facas e pedaços de pau montaram uma barricada na avenida Felizardo Moura, pouco antes da Ponte de Igapó, uma das rotas utilizadas para o aeroporto de São Gonçalo, e levaram pertences dos motoristas que passavam pelo local.
Uma das vítimas da ação criminosa, contou que tudo aconteceu pouco depois da meia noite. “Vinha passando em direção à zona Norte e vi aquele engarrafamento. Pensei que era alguma blitz. Mas era um monte de vagabundo, com camisas no rosto e armados. Eles tinham colocado objetos na pista, o que fazia com o que os motoristas parassem. Eles foram fazendo um arrastão, furtando motoqueiros e veículos”. O homem também contou que com o ocorrido, várias pessoas “começaram a dirigir na contramão, para tentar escapar do arrastão”.
Durante a ação, a vítima também disse que tentou ligar para o Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp), mas ficou mais de cinco minutos apenas escutando uma música. “A minha sorte foi um motoqueiro que “colou” em mim. Não sei se era um policial, mas era uma pessoa de bem, que não queria ser assaltada. Ele estava armado e atirou contra os meliantes, para que eles deixassem de roubar as pessoas. Já tinha visto isso em notícias, acontecendo no Rio de Janeiro, mas nunca pensei que fosse acontecer em Natal”. A vítima ainda relatou que, além de nenhuma viatura ter chegado ao local, não tinha nenhum policial no posto que fica nas proximidades da ponte.
O comerciante José Dantas, que tem uma loja bem próxima de onde aconteceu o arrastão, afirmou que um dos bandidos foi atingido durante o assalto. “Eu escutei uns tiros e vi um monte de motoristas voltando na contramão. Quando eu cheguei lá, tinha um rapaz sangrando, baleado. Me falaram que ele era um rapaz envolvido com o crime. Ele estava sangrando muito, mas não sei se morreu”. O Jornal de Hoje entrou em contato com a Polícia Militar para confirmar a informação, mas a PM relatou apenas que tinha recebido uma chamada sobre o arrastão, só que ninguém tinha sido detido.
Diego HervaniRepórter
JORNAL DE HOJE
Compartilhe no Google Plus