Morre, aos 82 anos, o ator e diretor de teatro Antônio Abujamra

Morreu nesta terça-feira (28), em São Paulo, o ator, diretor e apresentador Antônio Abujamra, de 82 anos. A informação foi confirmada pela TV Cultura, onde ele apresentava o programa de entrevistas "Provocações". Pai do músico André Abujamra, Antônio era também conhecido por ter interpretado o bruxo Ravengar, na novela "Que Rei Sou Eu?", da TV Globo.
Abujamra morreu em sua casa, no bairro de Higienópolis. De acordo com informações da TV Globo, a causa da morte foi um infarto do miocárdio. O velório será realizado no Teatro Sérgio Cardoso, na Bela Vista, no fim da tarde desta terça.
A página oficial do programa "Provocações" no Facebook divulgou nota lamentando a notícia. "É com grande pesar que informamos que hoje, 28/04/2015, o apresentador de Provocações, Antônio Abujamra, faleceu. Agradecemos o carinho e apoio de todos que têm nos acompanhado ao longo desses 14 anos de programa."
Um dos principais nomes do teatro brasileiro nos anos 1960 e 1970, Abujamra ficou conhecido pela irreverência de suas encenações. Começou no teatro amador em Porto Alegre, na peça "Assim É se lhe Parece" e, ao longo de sua carreira, trabalhou ao lado de grandes nomes do teatro nacional, como Ruth Escobar, Nicette Bruno e Paulo Goulart, além de ter dirigido atores como Antônio Fagundes e Vera Holtz em diversas ocasiões.
Ganhou a simpatia do grande público no anos 1980, ao participar de telenovelas como "Que Rei Sou Eu?" (1989), da Rede Globo, em que interpretou o bruxo Ravengar.
Sua última atuação em novelas foi em 2011, em "Corações Feridos", do SBT; no cinema trabalhou na dublagem da animação nacional "Brichos 2 - A Floresta é Nossa".
Trajetória
Um dos principais nomes a inovar a cena teatral brasileira nas décadas de 1960 e 1970, Antônio Abujamra nasceu em 13 de setembro de 1932, em Ourinhos (SP). Formou-se em filosofia e jornalismo pela PUC do Rio Grande do Sul em 1957, época em que também se envolveu com o teatro, inicialmente como crítico, e depois como diretor e ator.
Após um tempo estudando na Europa, retornou ao Brasil em 1961, onde estreou profissionalmente dirigindo "Raízes", de Arnold Wesker, no Teatro Cacilda Becker, e "José, do Parto à Sepultura", de Augusto Boal, no Teatro Oficina. Em seguida, dirigiu uma série de espetáculos para a produtora Ruth Escobar, começando por "Antígone, América", de Carlos Henrique Escobar (1962). Em 1963, Abujamra fundou o Grupo Decisão com Antônio Ghigonetto e Emílio Di Biasi, com a intenção de fazer um teatro político, influenciado por Bertold Brecht. O grupo ganha prestígio e, em 1965, a montagem de "O Berço do Herói", de Dias Gomes, é interditada pela censura no dia do ensaio geral. Voltaria a ser alvo da censura em 1975, quando teve a montagem de "Abajur Lilás", de Plínio Marcos, proibida. No mesmo ano, dirigiu Irene Ravache e Lilian Lemmertz em "Roda Cor de Roda".
Divulgação/Viva
Abujamra na pele do personagem Ravengar, na novela "Que Rei Sou Eu?", em 1989
Já nos anos 1980, dedicou-se a recuperar o Teatro Brasileiro de Comédia, com espetáculos de grandes  nomes, como Millôr Fernandes, Nelson Rodrigues e Dario Fo. A montagem de "Entre os sucessos Um Orgasmo Adulto Escapa do Zoológico", de Fo, em 1984, projeta a atriz Denise Stoklos à carreira internacional.
Em 1991, fundou a companhia Os Fodidos Privilegiados e recebeu um Prêmio Molière pela direção de "Um Certo Hamlet", espetáculo de estreia do grupo. 
Nas novelas de TV, seu papel mais popular foi como o bruxo Ravengar, de "Que Rei Sou Eu?" (1989). Também autou em "Cortina de 
Vidro" (1989), "Amazônia" (1991), "O Mapa da Mina" (1993), "A Idade da Loba" (1995), "Marcas da Paixão" (2000), "Começar de Novo" (2004) e "Poder Paralelo" (2009). Sua última novela foi "Corações Feridos", no SBT, em 2011..
Desde 2000, Abujamra apresentava o programa de entrevistas "Provocações", na TV Cultura. Ao todo, foram 695 edições do programa, para o qual entrevistou personalidades como Mario Prata, Maria Adelaide Amaral, Ruth Escobar, Clodovil, Antonio Petrin, Laura Cardoso e Paulo Autran. Em março último, conduziu uma divertida entrevista com seu próprio filho, o músico André Abujamra - o apresentador é pai também de Alexandre.
Abujamra sempre abria o "Provocações", que ia ao ar às terças feiras na TV Cultura, definindo o campo que pretendia alcançar com suas entrevistas: "Esse programa pode não ser uma janela para o mundo, mas é certamente um periscópio sobre um oceano do social". Sobre a palavra que dava nome à atração, "Provocações", ele dizia que deveria ser dita "por uma Medeia, uma grega".
UOL
Compartilhe no Google Plus