Em show, Erasmo Carlos faz piada com internet, "50 Tons" e Ed Motta

Imagem: Divulgação
Quase um ano depois de se emocionar e dedicar a abertura da turnê do disco "Gigante Gentil" ao filho Alexandre Pessoal, morto poucos dias antes, Erasmo Carlos foi só bom humor durante a apresentação deste sábado (2) no Sesc Pompeia, em São Paulo – segunda de uma série de três no local.

Ao longo de uma hora e meia de show, o Tremendão riu de si mesmo, fez piadas sobre a dependência das pessoas com a internet, questionou o público feminino sobre a leitura de "50 Tons de Cinza" e citou Ed Motta. "Não adianta pedir 'Manuel', que eu não vou tocar", disse aos risos, lembrando polêmica recente de Motta sobre seus shows no exterior.

Depois de poucos minutos de atraso, Erasmo abriu o show com a faixa-título do disco lançado no ano passado e repetiu brincadeiras de outros shows da turnê. "Quero dizer que é um orgasmo inenarrável estar aqui no Sesc, e que nunca antes na história desse país vocês viram um compositor tão realizado", afirmou. 
 
Na animação exibida antes da entrada do músico ao palco, referências a comentários maldosos feitos pela internet, que hoje já não o assustam mais. "Quando vi o que as pessoas diziam de mim, fiquei assustado. Me chamavam de zumbi, morto-vivo. Diziam coisas como 'Se Erasmo levantar as mãos para o céu, Deus puxa'. Hoje eu encaro isso com humor", contou.

O mundo virtual foi assunto diversas vezes ao longo do show. Nas letras das músicas "Amor na Rede" e "Colapso", na conversa com o público. "Já pensaram se um dia acaba a internet no mundo? Vocês sobreviveriam? Eu vivo bem sem ar refrigerado, sem internet, porque quando eu nasci não tinha isso", brincou antes das primeiras notas da segunda canção, um dos destaques do último disco.

Em outro momento de interação com a plateia, antes de tocar "50 Tons de Cor", Erasmo questionou quem leu o sucesso de E.L. James. Ao ver poucas mãos levantadas, provocou: "Só dez? Mentira! Eu sei que as meninas todas leram. No avião, eu via uma lendo um livro de economia, dentro era '50 Tons de Cinza'".

Na lista de hits, não ficaram de fora "Gatinha Manhosa", "Além do Horizonte" e "Sentado à Beira do Caminho". No bloco mais pesado do show, sucessos como "Quero que Vá Tudo pro Inferno", "Minha Fama de Mau", "Vem Quente que Eu Estou Fervendo" e "É Proibido Fumar", com direito a citação ao riff de "Smoke On The Water", da banda Deep Purple. Depois de uma falsa despedida, o bis trouxe "É Preciso Saber Viver" e "Festa de Arromba".

Uma despedida bem-humorada e divertida para a turnê de "Gigante Gentil", que dará lugar em breve aos shows de "Meus Lados B". Em resposta ao pedido de "Maria Joana" feito por um fã, Tremendão aproveitou para avisar que em poucos meses sairá em turnê para divulgar o DVD gravado com 23 faixas "obscuras" da carreira – como a própria "Maria Joana", "Cachaça Mecânica" e "Estou 10 Anos Atrasado".

Veja o setlist:
"Gigante Gentil"
"A Carta" / "Gatinha Manhosa"
"Sou uma Criança"
"Dois Animais na Selva Suja da Rua"
"Amor na Rede"
"Mesmo que Seja Eu"
"Grilos"
"Sentado à Beira do Caminho"
"Sentimentos Complicados"
"Mulher"
"50 Tons de Cor"
"Além do Horizonte"
"Jogo Sujo"
"Colapso "
"Quero que Vá Tudo pro Inferno"
"Minha Fama de Mau"
"Vem Quente que Eu Estou Fervendo"
"É Proibido Fumar"

Bis
"É Preciso Saber Viver"
"Festa de Arromba"
 
UOL
Compartilhe no Google Plus