Suspeito de matar universitário confessa o crime




Uma pessoa foi detida na tarde desta quarta-feira (6) suspeita de ter matado o estudante Máximo Augusto no último fim de semana. A informação foi confirmada pelo titular da Delegacia de Homicídios (Dehom), delegado Fábio Rogério. 


Segundo o delegado, o homem foi identificado como Jean Rocha, de 19 anos, que já foi ouvido e confessou o crime. A Polícia Civil está aguardando a expedição do mandado de prisão. De acordo com a Polícia Civil, junto com o suspeito foi preso um comparsa que teria ficado com o carro e objetos da vítima.

Jean


O suspeito de matar Máximo Augusto chorou e se mostrou arrependido ao confessar o crime na Delegacia de Homicídios (Dehom). Jean de Araújo Rocha, de 19 anos, confessou o crime, afirmou que não conhecia o estudante e disse que a morte aconteceu dentro do motel para onde eles seguiram.


Lutador de jiu-jistsu teria assassinado Máximo Augusto com um ‘mata leão’ dentro do motel




Máximo foi visto pela última vez saindo de boate na zona sul



Máximo Augusto desapareceu na madrugada de sexta-feira (1º), após sair de uma boate na zona sul de Natal. O corpo dele foi encontrado no domingo (3) em um terreno baldio localizado no distrito de Arisco, em São Gonçalo do Amarante. Máximo estava nu, com hematomas pelo corpo e sinais de estrangulamento e estupro.



Imagens de segurança de um motel mostram o carro do universitário entrando no estabelecimento por volta das 5h30, conduzido por Máximo e com outra pessoa no banco da carona. A saída se deu menos de uma hora depois, às 6h20, mas não há confirmação sobre quem dirigia o veículo.



O carro do jovem só foi encontrado ontem (5), abandonado em uma rua no bairro de Candelária. O veículo foi analisado na manhã de hoje por peritos do Instituto Técnico Científico de Polícia (Itep). Os profissionais procuraram vestígios.



A forma de agir de um dos possíveis envolvidos - o homem com capacete no estacionamento da boate em Candelária, onde Máximo foi visto pela última vez, na noite da sexta-feira, 1º de maio – corrobora com a forte possibilidade do envolvimento de pelo menos duas pessoas no crime. 



Magnus Nascimento


Carro de Máximo Augusto foi encontrado na terça-feira e passou por perícia no Itep

“O fato de o indivíduo estar usando capacete e falando ao celular no momento em que foi abordado são alguns dos pontos que nos levam a crer na participação de mais de uma pessoa na morte do estudante. No entanto, a investigação vai nos levar a confirmar ou não essa hipótese”, disse o delegado responsável pelas investigações, Fábio Rogério Silva, que nesta quarta-feira ouvirá quatro amigos da vítima.


Com informações da Tribuna do Norte

Compartilhe no Google Plus