Ayrton Senna sem faixa de pedestre causa transtorno a população

 Willen Moura | Cidades

Imagem: Divulgação
A avenida recebeu esse nome do importante piloto de Fórmula 1, Ayrton Senna, porém se caso o Senna ainda estivesse entre nós não teria nenhum orgulho da situação que se encontra uma das principais vias da zona Sul de Natal e que dá acesso ao bairro de Nova Parnamirim, em Parnamirim.

Faixa de Pedestre não existe

Um dos principais problemas da referida avenida, hoje, é a falta de sinalização e, principalmente de faixas de pedestre. Acontece que recentemente foi realizada uma obra de recapeamento asfáltico, porém, a obra já está pronta em sua maior extensão, não se vê mais máquinas na pista nem muito menos a esperança de pintarem as faixas de sinalização. Com isso os pedestres é quem saem perdendo e, além de toda a problemática, ainda correm o risco de serem atropeladas ao atravessarem a rua.

Piorando a situação. A Rotatória do Perigo

Imagem: Portal Noar
Para piorar a situação a STTU instalou uma rotatória nas proximidades do Banco do Brasil e o que era para melhorar o trânsito e que faz parte do projeto de “Recuperação da Ayrton Senna”, acabou contribuindo para um verdadeiro Caos. São acidentes, reclamações, falta de segurança para pedestres e ainda o prejuízo para alguns comerciantes do local.


A Escola Pedagógica Heitor Carrilho foi uma das mais afetadas com a mudança, inclusive  tendo parte de seu muro derrubado devido a um acidente de carro causado pela rotatória.

Os motoristas ouvidos pelo Diário Potiguar simplesmente estão confusos quanto à sinalização e também questionam o estudo realizado para a criação daquele artifício para supostamente “facilitar” o trânsito. 

Não conseguimos contato com o DER, quanto menos com a prefeitura do Natal para falar sobre o caso, esclarecer dúvidas sobre uma possível retirada da Rotatória do local, porém, de acordo com informações, a Secretaria está sendo indiferente em relação à situação de quem trafega no local chegando a informar, inclusive, que não há problemas na região e dizendo que “não houve reclamações”.

Na prática essa realidade de “não haver problemas” não se confirma. Basta trafegar no local para sentir todas as dificuldades.
Compartilhe no Google Plus