Fãs choram morte de Shaolin

Morreu na madrugada desta quinta-feira (14) o humorista Francisco Jozenilton Veloso, mais conhecido como Shaolin. O comediante, de 44 anos, estava internado desde terça-feira na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de uma clínica particular de Campina Grande, no Agreste da Paraíba, por conta de uma infecção respiratória. Seu quadro de saúde, no entanto, se agravou e ele acabou não resistindo. 

A notícia da morte foi anunciada pela mulher do humorista, Laudiceia Veloso, que usou seu perfil no Facebook para lamentar a morte do marido e explicar que Shaolin sofreu uma parada cardiorrespiratória.

"Depois de 1821 dias, nosso guerreiro terminou sua batalha. É com muita tristeza que divido a nossa dor com todos vocês. Shaolin apresentou um quadro febril nesta terça e que, infelizmente, evoluiu para uma infecção, precisando de internação imediata. Recebemos a notícia do hospital, neste momento, de que ele sofreu uma parada cardiorrespiratória e não resistiu. As informações sobre velório e local de sepultamento, divulgarei mais tarde. Obrigada a todos pelas orações e pela força!", escreveu. 

Lucas Veloso, filho de Shaolin, também usou as redes sociais para se despedir do pai: "Não aprendi dizer 'adeus'/ mas deixo você ir, sem lágrimas no olhar/ seu adeus me machuca/ o inverno vai passar, e apaga a cicatriz. Descanse em paz, meu guerreiro! Desejo honrar sua alegria todos os dias!".

À TV Globo, Veloso disse que a convivência com o pai lhe ensinou que, "não importa a desgraça, a gente pode sempre fazer graça". "Foi uma surpresa pra gente, porque o meu pai estava muito bem. Poucas horas depois, descobrimos uma infecção no pulmão e, infelizmente, ele teve dificuldades para respirar, a pressão baixou muito, e quando foi para a UTI, a infecção já havia se espalhado e se tornado uma infecção generalizada", disse Veloso, em entrevista ao programa "Encontro", da Globo. "O que eu sinto, agora, depois de uma vida inteira, depois de quase 20 anos convivendo com um paizão desses, eu sinto mau humor. E a lição que ele deixou para mim é que não importa a desgraça, a gente sempre pode fazer graça", acrescentou.

Em frente ao hospital onde o humorista estava internado, Ricardo Santos, cunhado e empresário de Shaolin, falou sobre a luta dele."A família está arrasada, fomos pegos realmente de surpresa. Até mesmo por conta da resposta que ele apresentava quando foi feita a medicação esperávamos uma evolução. Tinha a esperança de que ele fosse evoluindo", lamentou em entrevista ao UOL. "Vou guardar as melhores lembranças possíveis. Vivemos muita coisa juntos. Ele passava mais tempo comigo até mesmo do que com a família porque estávamos sempre juntos na estrada", disse.

O velório está marcado para começar às 9h (horário local; 10h no horário de Brasília), apenas para a família, e será aberto ao público às 11h, segundo informou o empresário de Shaolin. O enterro será às 17h no Cemitério Campo Santo Parque da Paz, em Campina Grande. Ele deixa a mulher e dois filhos, Lucas e Gabriela.

O acidente

No dia 18 de janeiro de 2011, Shaolin sofreu um acidente automobilístico na BR-230, em Campina Grande. O comediante dirigia no sentido São José da Mata da rodovia quando um caminhão, que vinha na faixa oposta, invadiu a contramão e bateu contra o veículo do artista.

Shaolin foi submetido a diversas cirurgias na época e ficou internado por cerca de cinco meses. Desde o acidente, ele não conseguia se locomover e comunicar, e vinha recebendo cuidados médicos em sua casa. Em 2012, a apresentadora Ana Hickmann chegou a viajar até Campina Grande e presenteou o humorista com um aparelho que permite a comunicação através da leitura óptica do paciente. 

Quatro anos após o acidente, em 2015, Shaolin começou a se comunicar e interagir com a família através de "expressões faciais e dos olhos", conforme relatou sua esposa, Laudiceia Veloso, na época.

Carreira

Shaolin começou sua carreira no Teatro Municipal Severino Cabral, em Campina Grande, e chegou a ser cartunista político do jornal "A Palavra", do "Jornal da Paraíba" e da "Revista Nordeste". Na televisão, trabalhou em programas como "Domingão do Faustão", "A Praça é Nossa" e "Show do Tom".

Seu último trabalho foi no programa "Tudo é Possível", da Record, onde fazia paródias de famosos como Zezé Di Camargo, Joelma e Leonardo.

UOL
Compartilhe no Google Plus