De 'decisão corajosa' a 'golpe do STF': a reação nas redes

"O ministro Teori (Zavascki) acaba de tomar uma das mais extraordinárias e corajosas decisões da história político-judiciária do Brasil", tuitou o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa na manhã desta quinta-feira.
O anúncio da suspensão do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, por liminar do ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki, foi alvo de comemorações, mas também da desconfiança dos participantes brasileiros – famosos e anônimos – da rede social.
O grupo pró-impeachment Revoltados On Line afirmou que o STF estaria “a serviço de uma facção criminosa” e que Zavascki e o procurador-geral da República Rodrigo Janot teriam sido “eficientes em ajudar o PT”.
Image copyrightReproducao
Image copyrightReproducao
Já o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) afirmou que "a Justiça tardou, mas, desta vez, não falhou", em referência ao fato de que o pedido da PGR pelo afastamento de Cunha levou quatro meses para ser aceito pelo ministro.
"Dilma, que também obstruiu a Justiça, será afastada, STF?", tuitou o cantor e ativista Lobão.
Image copyrightReproducao

'Todos fora' x 'Por que agora?'

Já o Movimento Brasil Livre, cujos líderes tiveram entrada no plenário concedida por Cunha na votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara, no dia 17 de abril, comemoraram a liminar de Zavascki.
"Parabéns para a Operação Lava Jato, que derrubou mais um corrupto", afirmou o grupo no Twitter e no Facebook.
Image copyrightReproducao
Image copyrightReproducao
"Todos fora" foi uma das frases mais frequentes entre defensores do impeachment, argumentando que o afastamento de Cunha mostraria que nenhum político corrupto deve ser poupado, e que decisão reduz argumentos governistas contra o processo de impedimento.
Ao observar a reação dos brasileiros, que rapidamente levaram "Cunha" e a hashtag "Tchau, querido" aos Trending Topics (assuntos mais comentados no Twitter) mundiais, o jornalista e escritor americano Alex Cuadros perguntou: "Fora do universo paralelo do Congresso, existe alguém no Brasil que não esteja feliz com a suspensão de Eduardo Cunha?".
Muitos, no entanto, questionaram o momento da decisão de Zavascki – outro pedido de afastamento de Cunha será julgado nesta quinta-feira no STF.
O jornalista americano Glenn Greenwald, que tem adotado posição contra o impeachment, afirmou que "é interessante como Cunha foi afastado apenas depois de fazer o seu serviço: facilitar e liderar a votação do impeachment".
Image copyrightReproducao
Image copyrightReproducao
Houve até quem comparasse a suspensão do deputado ao "gol de honra" após a derrota da seleção brasileira na semifinal da Copa do Mundo 2014.
"Cunha sendo afastado hoje e eu tô sentindo o mesmo que senti quando o Brasil fez o gol no 7x1", disse uma publicação.

'Fui'

Memes e piadas envolvendo o presidente da Câmara, no entanto, foram a maioria dos comentários brasileiros no Twitter.
A hashtag "Tchau, querido" fazia referência ao "Tchau, querida" usado contra a presidente Dilma Rousseff.
Em piada com a ideia de que o presidente da Câmara viu seu apoio minguar em ambos os lados do espectro político, um usuário postou uma foto da avenida Paulista, em São Paulo, vazia, no que seria uma "passeata em defesa de Cunha".
A diversão mais popular no Twitter, no entanto, foi trazer de volta tuítes antigos de Eduardo Cunha – que costumava ser ativo na rede social – como "Fui", "Quem ri por último ri melhor" e a frase "E vamos nos preparando porque a partir do dia 5 começa uma nova etapa de trabalho".
BBC
Compartilhe no Google Plus