Ele promete matar traficantes, mas não é no RN, veja


"A todos vocês que andam com drogas, a vocês filhos do diabo, a verdade é que vou matá-los", disse Rodrigo Duterte no último sábado, quando ainda era apenas candidato à Presidência das Filipinas.

Com essa linha de discurso, ele ganhou as eleições realizadas na última segunda-feira. Com uma proposta linha-dura, Duterte conquistou a maioria dos votos dos 54 milhões de habitantes que estavam habilitados a participar da eleição.

"Não tenho paciência e comigo não há meio-termo. Ou eles me matam, ou eu mato todos esses idiotas", disse o então candidato.

Essas não foram as únicas frases polêmicas ditas por Duterte ao longo de sua campanha. Ele afirmou que iria "massacrar" os criminosos e usuários de drogas, fez piada com o estupro de uma missionária australiana e disse que iria "fechar o Congresso" se não concordassem com ele.

O novo presidente também havia dado declarações fortes sobre a briga territorial das Filipinas com a China no Mar da China Meridional, dizendo que ele iria navegar até as ilhas em disputa e colocar a bandeira filipina nelas.
Polêmicas

Essas foram algumas das inúmeras polêmicas causadas por Duterte ao longo da campanha. Muitos especialistas chegaram a compará-lo ao candidato republicano dos Estados Unidos para a Presidência Donald Trump.

Ainda que Duterte tenha dito que o magnata americano seja um "fanático", existem certos paralelismos entre os dois.

Os dois foram rejeitados pelo establishment político no início da corrida eleitoral e incendiaram a opinião pública em várias ocasiões com suas declarações chocantes.

Assim como Trump tachou os imigrantes mexicanos de "violadores" que levam aos EUA "suas drogas e seus crimes", Duterte criou polêmica quando fez piada sobre o estupro e assassinato da missionária australiana Jaqueline Hamil.

Ela foi sequestrada e feita refém em 1989, quando houve uma rebelião na prisão onde trabalhava. Todas as mulheres presentes no local foram estupradas.

Image copyright GETTY

"Entre elas estava essa missionária australiana. E quando vi seu rosto, pensei: 'Merda. Que lástima! A estupraram e fizeram fila para isso, foi terrível. Era tão bonita… O prefeito deveria ter sido o primeiro!", afirmou em tom jocoso.

A tragédia aconteceu em uma cadeia de Davao, cidade do Sul das Filipinas da qual Duterte era prefeito à época.

Mão de ferro

Nos tempos em que foi prefeito, por sete mandatos – 22 anos no total -, Duterte já era conhecido por defender "mão de ferro" contra o crime. E ele prometeu adotar a mesma linha na Presidência.

O agora presidente eleito alega ter conseguido transformar uma das cidades mais perigosas do arquipélago em uma das mais seguras, mas as estatísticas apontam que Davao segue ocupando os primeiros lugares do ranking de insegurança.

Grupos de direitos humanos denunciam que as cifras de criminalidade foram reduzidas drasticamente por causa da ação dos "esquadrões da morte", que haviam assassinado milhares de supostos criminosos na década de 1990.

Eles alegam que esses grupos de extermínio tiveram apoio do prefeito, algo que o candidato negou por diversas vezes, mas que foi motivo para ele se vangloriar em outras ocasiões.

De qualquer forma, por essas e outras, Duterte ganhou o apelido de "castigador".

Image copyright GETTY Image caption
Ao ser eleito, Duterte disse que "com bastante humildade, aceita o mandato do povo"

Na campanha, ele prometeu que, eleito presidente, reduziria os níveis nacionais de criminalidade com a mesma estratégia e em tempo recorde: entre três e seis meses.

Ele também disse que acabaria com a corrupção em um país onde o crescimento econômico está perto dos 6%, mas onde muitos ainda vivem na pobreza extrema.
'Ditador em potencial'

Dessa forma, ele ganhou o apoio de cidadãos que passaram a enxergá-lo como o único candidato capaz de colocar ordem no país. Ainda que outros, como o atual presidente Benigno Aquino 3º, o enxerguem como "um ditador em potencial" – Aquino chegou a compará-lo a Hitler.

"Espero que tenhamos aprendido as lições da história e que nos lembremos de como Hitler chegou ao poder", disse o presidente, cujo mandato termina no mês que vem.

Aquino tentou até unir os outros candidatos que concorriam com Duterte numa tentativa de impedir a vitória deste, mas a estratégia não teve sucesso. O polêmico ex-prefeito de Davao venceu as eleições com pelo menos 14,8 milhões de votos, segundo a apuração parcial, que já dava a vitória a ele.

Image copyrightGETTY

"É com bastante humildade que eu aceito isso, o mandato do povo", disse ele à AFP após ter sua vitória confirmada.

O que mais chamou a atenção em seu discurso foi mesmo a postura rígida sobre os traficantes de drogas. "Esqueçam as leis sobre direitos humanos", disse em seu último discurso.

"Vocês traficantes, ladrões e criminosos, é melhor fugirem. Porque vou matá-los."

BBC
Compartilhe no Google Plus