Hillary Clinton faz campanha em região industrial já com Trump na mira

PhotoWASHINGTON (Reuters) - A pré-candidata a presidente dos Estados Unidos Hillary Clinton conversou nesta segunda-feira com metalúrgicos da região de Appalachia, nos EUA, sobre as dificuldades econômicas deles, no momento em que ela tenta ganhar apoio de trabalhadores numa região do país onde o apoio ao republicano Donald Trump é forte.

Direcionando a sua atenção para além da corrida pela nomeação do Partido Democrata e para a possível disputa contra Trump no dia 8 de novembro, Hillary se reuniu com líderes sindicais e cerca de 600 trabalhadores que foram demitidos no ano passado quando a AK Steel anunciou que iria desativar uma fornalha no leste de Kentucky.

Ela disse que a perda de postos de trabalho em fábricas e na indústria do carvão na região tem sido um golpe duro.

"É como o efeito de uma onda. Está simplesmente devastando comunidades”, afirmou Hillary a trabalhadores em volta de uma mesa num restaurante italiano da cidade de Ashland.

A pré-candidata disse que analisaria se a ajuda poderia ser estendida para Kentucky como ocorreu para os trabalhadores muito afetados depois dos ataques 11 de Setembro em Nova York. “Faz sentindo tentar fazer isso de uma maneira mais direcionada em situações como essa”, declarou ela.

Hillary prometeu mais de 30 bilhões de dólares para ajudar regiões que dependem do carvão, mas a promessa foi ofuscada quando ela disse em março que o país iria “colocar um monte de mineiros de carvão e empresas de carvão fora dos negócios”.

Enquanto os candidatos a presidente republicanos focam nas prévias desta terça-feira em Indiana, Hillary iniciou a viagem para Appalachia que incluirá nesta semana eventos em Ohio e no oeste da Virgínia.

Ela tem grande vantagem sobre o senador Bernie Sanders na briga pela nomeação democrata e já está dando passos para tentar minar o apoio a Trump, que diz que sua campanha terá êxito junto aos eleitores em dificuldades econômicas. Ele e outros republicanos acusam o governo do presidente Barack Obama de travar uma “guerra contra o carvão” ao impor normas ambientais rígidas.

Sindicatos costumam apoiar candidatos democratas, e líderes sindicais deram o seu endosso a Hillary e Sanders em 2016. Contudo, a mensagem pró-carvão e anticomércio de Trump tem soado bem com alguns trabalhadores e membros do sindicato.

O empresário de Nova York venceu a primária de Kentucky em março, levando com facilidade a maioria dos condados no leste do Estado, que passa por dificuldades econômicas.

Por Emily Stephenson e Amanda Becker
REUTERS
© Thomson Reuters 2016 All rights reserved.
Compartilhe no Google Plus