Psicologia: Conheça o transtorno de personalidade borderline

Conheça o transtorno de personalidade borderline
Quem sofre do transtorno de personalidade boderline é instável emocionalmente, adotando posturas explosivas e tendo dificuldades para manter suas relações. Entenda o porquê neste artigo.

O transtorno de personalidade limítrofe ou borderline (TPB) é um problema mais comum do que se imagina, atingindo quase 2% da população mundial. A pessoa tem um comportamento marcado pela impulsividade e instabilidade emocional, o que afeta as relações que mantém com os demais e também a imagem que tem de si mesmo.

Trata-se de um transtorno grave, que precisa ser tratado com acompanhamento psicológico e psiquiátrico. Veja a seguir mais detalhes sobre as causas e sintomas do TPB.

De onde vem a personalidade boderline?

Como o próprio nome sugere, a pessoa que sofre deste transtorno está no limite, na fronteira da saúde mental. O termo foi usado pela primeira vez no século XIX, para denominar um grupo de pacientes cujos sintomas estavam entre a neurose e a psicose.

As causas do transtorno de personalidade boderline podem estar ligadas a fatores genéticos, já que pacientes com parentes de 1º grau com TPB têm mais probabilidades de desenvolver a doença. Além disso, há a influência dos conflitos familiares. Situações traumáticas vividas na infância, quadros de negligência e abusos, relações autoritárias ou ambientes viciosos podem ser desencadeadores deste problema.

O fato de não haver uma regra predefinida dificulta o diagnóstico da doença, que vai demandar uma avaliação profunda dos sintomas para confirmar o problema. O TPB é grave, mas é tratável.

Os principais sintomas da personalidade boderline

Os primeiros sinais do transtorno costumam surgir na adolescência, mas é na idade adulta que a doença se manifesta mais claramente. Algumas das características comuns aos portadores do transtorno são:
  • Recorrência de momentos de intensa raiva;
  • Ansiedade ou depressão;
  • Agressividade;
  • Comportamento de risco e/ou impulsivo;
  • Baixa autoestima;
  • Autoagressão/mutilação;
  • Comportamentos suicidas.

As relações interpessoais são gravemente afetadas pelo TPB. A pessoa costuma ter opiniões e sentimentos radicalmente opostos sobre familiares, colegas e amigos. Sem que haja um motivo aparente, o portador do transtorno pode, por exemplo, ir da idealização extrema até desvalorização de uma mesma pessoa. Uma pequena decepção pode ser suficiente para que a destruição da imagem positiva que antes possuía dos outros.


Quem tem o transtorno de personalidade boderline normalmente tem problemas para lidar com as críticas e tende a se enxergar como desvalorizado. Esta última questão afeta especialmente as relações de trabalho, o que faz com que seja recorrente a dificuldade de se estabelecer profissionalmente.

Diagnóstico e tratamento

Apesar de não ter cura, o transtorno de personalidade boderline pode, e deve, ser tratado, o que possibilita grandes melhoras na qualidade de vida do indivíduo. O tratamento envolve acompanhamento psicoterápico e, dependendo da necessidade de cada caso, o uso de medicamentos.

As abordagens utilizadas pelo profissional escolhido podem variar, já que é fundamental que o paciente se sinta confortável com o tratamento para conseguir avançar no controle dos sintomas da doença. A terapia matrimonial ou familiar também não deve ser descartada, já que, na maioria dos casos, familiares e amigos têm dificuldades para compreender os sintomas; em algumas situações, acabam abandonando o paciente ou superprotegendo, sendo ambas posturas igualmente negativas para que o paciente retome o controle da sua vida.

Tanto o diagnóstico da doença quanto a prescrição de tratamento devem ser realizados por profissionais especializados em transtornos de personalidade. Veja aqui um listado completo e encontre um especialista perto de você, que pode oferecer atenção e tratamento adequados.

MUNDO PSICÓLOGOS
Compartilhe no Google Plus