Pesquisadores suecos criam rosas capazes de mudar de cor instantaneamente

rosas-eletronicas_01Em um estudo publicado na revista Science Advances, um grupo de pesquisadores do Laboratório de Eletrônica Orgânica da Universidade Linköping, na Suécia, conseguiu desenvolver rosas que por meio de minúsculos circuitos eletrônicos, presentes dentro de seus sistemas vasculares, podem mudar de cor com um simples ‘clique’. Os polímeros eletrônicos inseridos são capazes de se montarem sozinhos, graças a estrutura “quase mágica” da flor.
Segundo o coautor do estudo, Magnus Berggren, um pesquisador de eletrônica orgânica, essas ciberplantas podem, um dia, permitir uma comunicação com as flores, avisando a hora exata de florescer, ou colocá-las em sobreaviso de uma geada iminente ou seca.
Segundo ele, a idealização desse projeto foi tentada por décadas. A equipe então resolveu direcionar o foco para as roseiras, por terem todos os elementos de uma árvore, como caule, folhas, pecíolo e sistema radicular diferenciado. Além disso, são compactas, resistente e estão disponíveis em todas as lojas de flores.
rosas-eletronicas
No entanto, cada ingrediente eletrônico que a equipe tentava resultava em falha. Alguns até chegaram a estimular a liberação de compostos tóxicos pela planta, outros obstruíram o xilema e tecidos vasculares, utilizados para o transporte de água. Eventualmente, a equipe resolveu testar outros métodos, e assim, quando Berggren cortou os caules das rosas, e depois aplicou uma solução com uma variante do polímero orgânico poli-3,4-etilenodioxitiofeno, chamado PEDOT-S:H, que continha boa condutividade elétrica quando hidratado.

Após as flores serem encharcadas na solução de PEDOT-S:H, por cerca de um ou dois dias, a equipe descascou as pétalas da rosa revelando minúsculos “fios” de polímero orgânico que tinham se serpenteado em até 5 centímetros de caule. Poucos dias depois, eles demonstraram que esses fios tinham condutividade elétrica, e criaram uma série de transístores de automontagem, um dos elementos fundamentais de uma rede de sensores.Se combinássemos os sensores com dispositivos de administração, poderíamos fazer um sistema neural capaz de gravar, sentir e regular a fisiologia da planta”, disse Berggren.

Segundo ele, esse sistema poderia, um dia, ser usado para prevenir as flores de florescerem durante as geadas, ou quando estivesse a caminho. Podendo ser utilizadas para aumentar a produtividade de uma planta, quando as condições meteorológicas são favoráveis.
rosas-eletronicas_02
Contudo, a alteração de algumas características, como a época de florescimento, por exemplo, pode ter consequências graves para um ecossistema, se feito de forma permanente e especialmente se essas mudanças se espalhassem por florestas e campos. Mas de acordo com Berggren, o interruptor eletrônico seria reversível. Para o uso em culturas alimentares, eles teriam de provar que o sistema não alterará os frutos, sementes ou porções comestíveis de uma planta.
JORNAL CIENCIA
Compartilhe no Google Plus