Futebol Europeu: Entrevista com LUCAS VENUTO - Austria Wien





13.11.2016
Conversamos essa semana com o Lucas Venuto, brasileiro de Governador Valadares, com 21 anos que é meio campo de um dos principais times de futebol Austríaco: FK Austria Wien.
Fizemos a entrevista em um restaurante próximo da Ópera de Viena, o Lucas chegou acompanhado da esposa (ambos muito simpáticos) e conversamos sobre a sua carreira, vida pessoal, saudade da família, etc. Confira abaixo mais detalhes da entrevista que aconteceu esta semana em Viena/Austria:

Início da carreira
Como você aprendeu a jogar futebol?

Na rua com meus amigos. Desde pequeno minha brincadeiras prediletas eram sempre relacionadas com futebol.

Como você começou sua carreira aqui na Europa?

Eu vim algumas vezes fazer intercambio através do time do Red Bull Brasil, e depois surgiu a oportunidade de ter um contrato com o time do Leipzig, na Alemanha. No início foi um pouco difícil, estava sozinho, tinha apenas 18 anos e não conhecia muitas pessoas, mas com o passar do tempo fui ficando mais adaptado.

Sempre foi seu sonho jogar em um time europeu?

Na verdade não era minha idéia vir para Europa agora tão cedo. Acabou sendo uma chance que apareceu e eu agarrei. Eu pensava em tentar vir para europa mais tarde mas acabou surgindo a oportunidade e eu aceitei. Eu estava no time do Red Bull Brasil e ja tinha jogado alguns campeonatos importantes la no Brasil (categoria de base) e achei que podería então ser um bom momento para vir.

Depois do time Leipzig como foi sua trajetória para o time do SV Grödig?

No time do SV Grödig eu joguei no início emprestado, foi quando comecei a jogar na primeira divisão da Austria. Depois de 6 meses o SV Grödig me comprou. O clube sempre me acolheu muito bem. O técnico confiava no meu trabalho e meus companheiros de equipe sempre me trataram muito bem.

E a mudança para o time da capital austríaca, o Austria Wien (time atual), como aconteceu?

Acabei fazendo uma boa temporada junto ao Grödig. Marquei 7 gols e isso dispertou o interesse do Austria Wien em mim. Eles acabaram fazendo uma oferta e estou aqui no time do Austria Wien desde Janeiro/2016.

O time na Austria
Como é o dia a dia de um jogador?
Nós treinamos todo dia de manhã. Acordo às 8hs e preciso estar lá às 9hs.
Entre às 9hs e às 10hs é um horário que você pode escolher o que quer fazer (por exemplo massagem para recuperar o corpo - nosso time tem 3 massagistas). O treino mesmo começa às 10hs.
Quando estamos no meio de Campeonato o treino é apenas uma vez por dia e dura 2 horas geralmente.
E quando esta frio? 
Independente do tempo, pode chover ou nevar estamos lá no campo treinando.
Como é a organização de viagens quando vocês tem jogo no interior?

Nós vamos sempre um dia antes e voltamos direto depois do jogo para Viena. O jantar já é encomendado e comemos no ônibus durante a viagem de volta.

Na Austria muitas vezes as viagens são de ônibus porque os lugares são perto. De avião só quando for um destino mais longe.

Vocês treinam em dia do jogo?

Geralmente treinamos sim, mas é um treino mais leve. Eles dizem que é um treino para aliviar um pouco do stress.

De um modo geral o grupo se da bem?

No Austria Wien é um ambiente muito tranquilo sim. Claro que tem alguns atritos mas o grupo é profissional e de um modo geral o ambiente é amigável. Procuramos deixar no campo o que acontece lá e depois que termina o jogo somos todos amigos. As vezes quando temos tempo livre saímos juntos. Tem até uma caixinha que o pessoal vai colocando dinheiro para usar nas festas… (risos)

Quando um time esta perdendo, o que precisa ser feito para tentar reverter essa situação dentro de campo?

O lado pisicológico é o mais difícil para trabalhar nessas horas porque todo mundo começa a ficar abalado. Você tem que se concentrar no momento de dificuldade e ajudar o time.

Vocês conseguem superar uma derrota com facilidade?

Eu não. Eu fico com raiva e triste quando perdemos. Entretanto ja percebi que jogadores de outras nacionalidades aceitam a derrota com um pouco mais de facilidade, mas nós brasileiros, acabamos sempre nos cobrando mais.
Descreve para a gente a sensação de fazer um gol?
É muita emoção! É uma adrenalina muito alta não consigo nem ver quem esta na minha frente, fico completamente cego. A gente vai em direção a torcida mas o subconsciente esta longe. Se o estádio estiver lotado então é mais adrenalina ainda. 


Suas características
De todas as suas qualidades, o que você considera mais importante? Quais são as suas características mais fortes para ajudar o time em campo?

Eu sou um jogador que tem muita velocidade, tenho força e procuro sempre ajudar o time. Estou sempre tentanto melhorar e acho isso fundamental. Sempre que pego a bola vou em direção ao gol, a final, fazer gol é sempre importante.  

Brasil x Europa
Qual sería a maior diferença entre os campeonatos europeus e os brasileiros?

Acho que a velocidade do futebol europeu é muito diferente. Além disso aqui existe um trabalho de análise do time adversário muito forte antes dos jogos. Dois dias antes de um jogo sempre assistimos vídeos para estar bem preparados sobre nosso adversário.


Dica para novos jogares
Que dica voce daria para os jogadores que querem vir para Europa?

Se surgir oportunidade devem agarrar! No inicio vai ser um pouco dificil, você tem que se acostumar com o frio, cultura, idioma, mas se você fizer um bom trabalho vai ser reconhecido. É importante estar sempre tentando melhorar e se esforçando que depois tudo vai valer a pena!
Melhores e piores momentos
Qual jogo você vai sempre se lembrar como um momento especial?
Um jogo do Grödig contra o Rapid. O resultado foi 2x1 para nós (Grödig) e eu fiz os dois gols. Não foi o gol mais lindo mas foi muito importante para mim porque o estadio estava lotado, era um jogo importante e foi depois desse jogo que eu comecei a dar entrevistas em alemao….(risos).
E um jogo que você não gosta de lembrar?
Teve um jogo pela Copa da Austria (contra Red Bull Salzburg) que começamos fazendo um bom jogo mas depois no segundo tempo deu um apagão no time sofremos vários gols, foi um pouco frustrante. O primeiro gol fui eu que fiz e eu estava torcendo para terminar no 1x0, mas acabamos perdendo.
Seleção Brasileira
Um jogador da seleção que você admira?
Gosto muito do Neymar. Admiro muito o estilo de jogo dele.


Família
Sabemos que a família tem um papel relevante para tomar essas decisões de sair do país. Eles te apoiaram?

Sim. Conversei muito com a minha família e meus irmãos e todos sempre me apoiaram muito. Saí de casa muito cedo, com apenas 12 anos fui jogar no time do Cruzeiro.
Como fica a saudade?
Depois que a minha esposa veio para cá melhorou. Mas sempre vai existir a saudade, valorizo muito a família e quando eu estou no Brasil procuro sempre estar junto com eles. Mas eu sei que tenho que fazer meu trabalho aqui para colher os frutos lá na frente. Eles já vieram algumas vezes para cá e eu procuro ir duas vezes por ano para o Brasil. Depois no futuro eu quero voltar para o Brasil, a vida aqui é boa mas o Brasil é meu país!

Fotojornalistas:
Silvia Ponchon Preihs
Sandra Kelch
13.11.2016

Compartilhe no Google Plus