Falência nas micro e pequenas empresas bate recorde em 2016

Resultado de imagem para falencia das empresas
Imagem: Correio Cacerense

Os pedidos de recuperação judicial de empresas deram um salto de 44,8% em 2016 sobre o ano anterior, para 1.863 casos, recorde da série iniciada em 2006, de acordo com a empresa de informações de crédito Serasa Experian.

Segundo os economistas da instituição, a recessão no país prejudicou a geração de caixa das empresas, que também enfrentaram crédito mais caro e escasso.

De acordo com o Távio Almeida, diretor executivo da Gomes de Matos Consultores Associados, a receita de uma da boa gestão, então, é adaptar-se a solução para os problemas corporativos. "Existem muitas opções de solução: redução de custos e despesas à captação de recursos, aporte de investidores, ganho de eficiência operacional e market share, passando por renegociação de dívidas, alienação de ativos e foco no core business", explica.

As micro e pequenas empresas lideraram os pedidos de recuperação judicial, com 1.134 casos, seguidas pelas médias (470) e grandes (259). A recuperação judicial tem por objetivo tornar viável a superação da situação de crise econômico-financeira do devedor a fim de permitir a manutenção da fonte produtora, do emprego dos trabalhadores e dos interesses dos credores. Visa, portanto, permitir que a empresa não paralise seu funcionamento, dando-lhe nova chance de êxito.

Em dezembro foram registrados 145 pedidos de recuperação, alta de 22,9% ante o mês anterior, mas queda de 3,3% sobre dezembro de 2015.

Para o consultor, a recuperação judicial, além dos aspectos jurídicos, implica um planejamento com mudanças significativas na gestão operacional e financeira. "É preciso viabilizar um novo cenário para a empresa, e não apenas uma renegociação de dívidas. É justamente nestes tempos de crise que o empresário deve buscar todos os recursos e ferramentas de proteção previstas em lei, para que possamos atingir percentuais expressivos de recuperação, a exemplo de mercados mais maduros, como o americano", oriente Távio Almeida.

Maior nº de falências em 4 anos

O ano passado também teve um alta de 3,9% nos pedidos de falência sobre 2015, para 1.852 casos, o maior número em quatro anos. Deste total, 994 foram de micro e pequenas empresas, 426 de médias e 432 de grandes.

Em dezembro foram 134 pedidos de falência, queda de 18,8% sobre novembro e alta de 3,9%sobre um ano antes.

Assessoria
Compartilhe no Google Plus