Uso excessivo de celular ou tablet para leitura pode provocar rugas no pescoço; entenda como

Resultado de imagem para USO EXCESSIVO DO CELULAR CABEÇA BAIXA
Passar muito tempo usando o celular ou tablet para leitura pode provocar um envelhecimento precoce na pele, flacidez e rugas no pescoço do usuário. A posição da cabeça, ligeiramente voltada para baixo, é a vilã, segundo a dermatologista de Campinas (SP) Claudia Marçal, das "teck-necks", como são chamadas as rugas. Nessas situações, o pescoço fica a 45 graus do corpo e sofre mais os efeitos da gravidade.

"Veríamos essas alterações por volta de 40 anos em diante, e, hoje, por volta de 25 ou 30 anos elas [pessoas] já estão chegando com queixa específica dentro dos consultórios médicos", diz a especialista.


A pele do pescoço tem entre 1,5 mm a 2 mm de espessura. A médica, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, da Academia Americana na especialidade e com formação em Harvard, nos Estados Unidos, afirma que as rugas horizontais aparecem pela característica da dinâmica que o pescoço assume e por um vício de postura. A constatação já foi feita na Coreia do Sul, país referência na área de estética.

"Eu acabo exercendo um peso que é semelhante a 22 kg na região cervical e que favorece com que eu tenha uma maior flacidez da pele, que vai piorando ao longo dos anos", explica a dermatologista.

Ela explica que, com o passar do tempo, as fibras do colágeno envelhecem e há uma perda de hidratação que, junto com o envelhecimento natural causado pela exposição ao sol, deixam a pele mais sensível e mais frágil.


Risco de rugas afeta mulheres e homens, segundo dermatologista. (Foto: Reprodução / EPTV)

Mais rugas e bolsas de gordura

Por conta da posição do pescoço para uso dos aparelhos eletrônicos, as pessoas começam a acumular gordura embaixo do queixo e nas laterais da mandíbula, segundo a dermatologista.

Também afeta a região do colo, formando rugas na região da linha da clavícula e bolsas de gordura e flacidez na área ao redor da boca.

"Nós sabemos que hoje, pelo exagero do número de horas de uso [...], nós fazemos esses movimentos em torno de 150 vezes ao dia. Então, nós acabamos ficando muitas horas nessa mesma posição que vai favorecendo, pelo peso da gravidade, a formação dessas linhas, desses sulcos e da flacidez", esclarece Claudia.


Claudia Marçal, dermatologista em Campinas, fala sobre riscos da má postura ao usar celular e tablet para a pele (Foto: José Braz / EPTV)

Como minimizar danos

A mudança na postura do corpo na hora de utilizar os aparelhos eletrônicos é o principal caminho apontado pela dermatologista para minimizar os danos à pele. O comportamento deve ser aliado ao uso de filtro solar na região, hidratantes e produtos específicos que aumentem a resistência da pele.

"O pescoço é uma área que envelhece mais precocemente, tem um envelhecimento em relação ao rosto sempre mais adiantado, porque nós temos menos glândulas sebáceas, menos proteção natural", explica.

Mas, se a prevenção correta não ocorreu e as rugas já se instalaram, Claudia diz que a saída é usar os tratamentos estéticos, com laser e radiofrequência, por exemplo.

GLOBO | G1
Compartilhe no Google Plus