Compulsão por compras pode estar relacionada à ansiedade

Resultado de imagem para compulsão por compras
Imagem: Revista Donna
Compulsão por compras pode estar relacionada à ansiedade

Confraternizar e presentear são atitudes saudáveis, porém é importante não deixar o ato de ir às compras passar do ponto, em nome da saúde emocional e financeira

Com a chegada das festas de fim de ano, troca de presentes, e pagamento do décimo terceiro, parece impossível resistir aos objetos de desejos expostos nas vitrines. Confraternizar e presentear são atitudes saudáveis, porém é importante não deixar o ato de ir às compras passar do ponto. Por isso, os especialistas recomendam: se é difícil controlar os gastos, é necessário ter atenção. Segundo pesquisa do Programa para Compradores Compulsivos do Pró-Amiti, estima-se que os pacientes que apresentam esse comportamento representam 5% da população geral, sendo que é identificado com maior frequência entre as mulheres.

A compulsão por compras tem nome e diagnóstico. É chamada de onimania. De acordo com a professora de Psicologia da Estácio, Marianna Lucenna, quando o consumo prejudica a vida social e é acompanhada de um descontrole financeiro, é hora de se preocupar e analisar a situação. "Na época natalina sempre há um consumo maior. Mas, se comprar está associado à ansiedade ou sentimento de tristeza, frequentemente, isto pode ser um problema, pode ser um transtorno compulsivo", avalia a psicóloga.

As respostas de algumas perguntas também são decisivas para a análise da possível "compulsão por compras". "A pessoa está deixando de fazer algo para comprar? Está deixando de pagar contas, ou cumprir com outros compromissos? Tem dificuldade frequente com a fatura do cartão de crédito? Cria situações ou desculpas para comprar?", questiona Marianna. Caso as respostas sejam positivas, é importante que a pessoa procure um profissional, psicólogo, para avaliação.

"Há casos que podem ser tratados com terapia, quando podemos resolver a questão que está causando a ansiedade. No entanto, a compulsão por compras também é um sinal de transtornos psiquiátricos, como o transtorno bipolar ou transtorno de personalidade Borderline. Mas somente em consultório podemos diagnosticar", explica. De acordo com um estudo da pesquisadora Astrid Mueller, do University Hospital of Erlangen, na Alemanha, feito com 171 portadores de oniomania, 90% desses pacientes também sofriam ou sofreram ao longo da vida de outros transtornos psiquiátricos.

Os mais comuns são depressão (74%) e ansiedade (54%), mas há também uma parcela que enfrenta ou enfrentou transtorno bipolar (TAB), Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) e Transtorno de Personalidade Borderline. O termo técnico para uma situação onde um indivíduo possui dois ou mais transtornos é comorbidade.

Dicas para gestão financeira

Mesmo que o hábito de compras não seja por uma compulsão, é necessário, tanto para a saúde psicológica, quanto para a saúde financeira, um planejamento financeiro bem feito. Para iniciar 2018 com o "pé direito", o professor de Gestão Financeira da Estácio, Thiago Cavalcanti, dá algumas dicas.

  • Elabore o seu orçamento para o período, a fim de identificar o limite para os gastos;
  • É preciso reconhecer o que é necessidade e o que é desejo, para não comprar itens desnecessários;
  • Faça uma lista dos presentes das confraternizações, e depois avalie em seu orçamento. Sabendo da lista e do limite do orçamento, você poderá definir o máximo de valor por presente;
  • No momento das compras, não adquira o produto na primeira loja. Se possível, pesquise em outros lugares e compare o preço. Essa pesquisa também pode ser feita pela internet, que oferece sites específicos para esta finalidade;
  • Evite deixar o cartão de crédito na bolsa diariamente. Reserve esta alternativa para compras grandes, que não poderão ser pagas à vista. Mas atente para encaixá-las no planejamento em longo prazo;
  • Deixe uma reserva para os gastos do início do ano, como IPTU, material escolar, entre outros. O interessante seria usar o 13º salário para estes gastos;
  • Caso tenha dívidas, procure pagar sempre primeiro as que tiverem juros maiores.

Assessoria
Compartilhe no Google Plus