Ingestão de cálcio ainda é baixa no Brasil

Foto: Visual Hunt/CC
Países da América do Sul, África e Ásia não estão consumindo a quantidade ideal de cálcio, segundo o mapa global de ingestão de cálcio da Fundação Internacional de Osteoporose (IOF). Entre eles, o Brasil, que consome média de 500 a 600 miligramas/dia de cálcio.


Para a médica Soraya Lopes Sader, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, o consumo varia, mas, a partir dos 10 anos de idade até a puberdade, pico de massa óssea, é preciso ingerir entre 1.200 e 1.300 miligramas/dia.

Além disso, ela fala que a baixa ingestão compromete a saúde óssea e até influencia o coração. “Quando falta cálcio no sangue, o organismo retira do osso e pode causar osteoporose e fraturas secundárias a ela.”

O leite e os derivados são as principais fontes de cálcio. Ela conta que também há vegetais, mas a biodisponibilidade de cálcio nesses alimentos é pequena. “É preciso comer muito para ser suficiente e precisa fazer suplementação de cálcio”, conclui.

Por: Giovanna Grepi | JORNAL DA USP
Compartilhe no Google Plus