A teoria do espelho: feridas que formam e quebram relacionamentos

Alguma vez você já se perguntou o que acontece quando você se conecta com outra pessoa e um tempo depois você descobre aspectos que não acabam agradando você? A teoria do espelho de Jacques Lacan nos ajuda a entender esse processo. Segundo o autor, a construção de nossa identidade pessoal ocorre pela captura de si nos outros. Desta forma, as relações que mantemos com os outros são reflexões ou projeções de aspectos da nossa personalidade de que gostamos ou não gostamos.

Qual é a teoria do espelho?

Assim como há partes do corpo e da imagem que não gostamos quando nos olhamos no espelho, também há aspectos da nossa personalidade que não aceitamos. Encontramos nas outras, reflexões que não nos encaixamos de todo esse material que está sendo reprimido pelo nosso inconsciente. Ou seja, de alguma forma, algumas das características que menos gostamos dos outros são identificadas em nós, mesmo de forma simbólica. Assim, em parte, o que não gostamos dos outros também nos desagrada.

Estamos constantemente projetando uma parte de nós mesmos. Assim, a teoria do espelho é uma visão que propõe uma mudança no foco de ter que proteger o outro para que eles não possam nos ferir. Dessa visão nasce uma pergunta “O que estou vivendo com essa pessoa, existe algo que eu não possa suportar nela em mim? Como geralmente não somos capazes de ver nossas próprias sombras e até mesmo virtudes, a vida nos dá o dom de relacionamentos que vivemos para nos mostrar, de maneira direta, o que está em nós. O outro simplesmente nos torna um espelho, refletindo-nos e nos dando a oportunidade de nos encontrar.

Como nos amamos?

O psicólogo Raúl Pérez afirma que “toda figura de apego serve de espelho, para bem ou para mal, já que o modo como os outros se comportam conosco nos dá informações sobre como somos”. Ele também aponta que “o envolvimento com um parceiro depende, em grande parte, é a imagem que ele nos devolve”.

Dessa forma, se nos relacionarmos de maneira saudável, procuraremos alguém para retornar a melhor versão de nós mesmos. No entanto, quando escolhemos alguém que reflete o que menos gostamos, de acordo com a teoria do espelho, pode ser porque inconscientemente acreditamos que não merecemos ser amados. Então, depende de como queremos, se procuramos um parceiro ou outro.

Espelho direto ou inverso

A teoria do espelho pode agir de maneira direta ou inversa. Vamos dar um exemplo. Imagine que você não suporta o egoísmo do seu parceiro ou amigo. De uma maneira direta, você pode estar projetando aquela parte de você que é egoísta e que você rejeita. Se você agir de forma inversa, essa pessoa pode estar refletindo quão pouco você faz os seus interesses. Talvez você esteja sempre ciente dos outros e coloque outras pessoas antes de você. De uma forma ou de outra, você está dando informações valiosas para nosso conhecimento e evolução.

O que eu não gosto em você, eu corrijo em mim.

Você pode pensar que seu chefe é muito exigente com você. Talvez você também seja muito exigente e perfeccionista consigo mesmo e seu chefe seja apenas um reflexo desse requisito que você se impôs. Em vez disso, você pode ser muito tolerante e precisar de um pouco de rigor em sua vida. E sabemos que a virtude é encontrada no equilíbrio.

Feridas emocionais

Quando recebemos uma ferida, primeiro expressamos nossa dor e, quando estamos calmos, limpamos a ferida e a curamos com as ferramentas certas. Nós não a cobrimos e nos esquecemos, porque sabemos que não será curada assim. E, além disso, estamos controlando a ferida até que finalmente se cure. O mesmo vale para outros tipos de ferimentos.

Todos nós temos feridas emocionais. As feridas emocionais são todas aquelas emoções, sentimentos, pensamentos e modos de agir que nasceram em um ou vários momentos dolorosos da nossa vida e que não chegamos a superar e aceitar. Nós nos tornamos prisioneiros dessas emoções, mantendo-nos em uma prisão fictícia. Nosso bem-estar passa por transformar essas emoções e essas formas de pensar em sabedoria e experiência, de modo que elas sirvam como um impulso para melhorar a nós mesmos.

As feridas refletem

Quando nos esquecemos de nossas feridas, elas acabam sendo parte de nosso inconsciente e influenciam nossos pensamentos, humores e comportamento. Em nosso interior começam a habitar deficiências afetivas que se originaram em nossa infância, mas que despertam e/ou reforçam quando não curamos.

Assim, em muitas ocasiões, encontramos em nosso casal deficiências muito semelhantes às nossas. E é precisamente isso que causa a união. Por exemplo, duas pessoas que sofreram muito por amor se encontram e descobrem que o amor não é sofrimento. Este casal foi acompanhado pela mesma ferida. Ambos são espelhados. Mas você tem que ter cuidado, porque as feridas que eles unem também podem se separar.

Se cada membro do casal não curar suas feridas, mais cedo ou mais tarde eles começarão a deteriorar o relacionamento. Inseguranças, medos, ciúmes, possessão … É como se a vida estivesse tentando lhe enviar reflexões que lhe mostrarão o caminho a seguir para crescer. Se você não os analisar e prestar atenção às informações que eles lhe dão, você não evoluirá – ou você desacelerará – e seus relacionamentos serão mais frágeis. Portanto, os vínculos que mantemos com os outros, levando em conta a teoria do espelho, podem nos fornecer informações valiosas sobre nós e o estado dessas feridas que ainda não integramos em nossa história.

***

Tradução do site La mente es maravillosa , via A Soma de Todos os Afetos

The post A teoria do espelho: feridas que formam e quebram relacionamentos appeared first on CONTI outra.



source https://www.contioutra.com/a-teoria-do-espelho-feridas-que-formam-e-quebram-relacionamentos/
Compartilhe no Google Plus