As pessoas que perdemos nos acompanham de muitas maneiras

Enfrentar a morte de um ente querido é como navegar por um tempo em um oceano de enormes geleiras solitárias. Pouco a pouco, acordamos, voltando a despertar para a vida, e para perceber que eles estão ali, que nos acompanham de formas intermináveis ​​enquanto dormem em nosso coração.

Daphne Du Maurier disse uma vez em uma de suas histórias que a morte deveria ser como uma despedida em uma estação de trem. Deve permitir-nos ter um intervalo de tempo para nos despedirmos, para nos fundirmos num longo abraço onde não deixamos nada pendente e desejamos uma boa viagem à pessoa querida.

No entanto, todos sabemos que na vida real nem sempre temos essa plataforma ou aquela época de despedidas idílicas. Porque o destino às vezes é cruel e afiado, e gosta de arrancar nossos mais preciosos tesouros do nosso lado: nossos entes queridos. É por isso que enfrentamos a maioria de nossas perdas com uma mistura de raiva, desespero e uma descrença indefinível.

Costuma-se dizer que, depois da morte de alguém muito próximo a eles, em vez de viver, “sobrevivemos”, e apenas enfrentamos a corrente como se fôssemos protagonistas de um estranho resultado na vida. Agora, essa maneira de ver a dor não é das melhores. Somos obrigados a reconstruir nossas vidas, fazer de nossos dias uma bela homenagem àqueles que ainda vivem em nossos corações, àquela pessoa que nos deixou um belo legado, que até hoje nos acompanha de muitas maneiras.

Aqueles que permanecem conosco não merecem a nossa falta

Às vezes, não hesitamos em procurar lembrando aqueles que perdemos. No entanto, eles não estão tão distantes, não estamos separados por um céu ou uma parede espessa que divide o universo dos vivos daqueles que não estão mais lá. Eles habitam um canto precioso do nosso cérebro emocional, fundido no palácio de nossas almas e que metade do nosso coração que dirige cada batida.

O ser humano é composto de memórias, experiências e legados emocionais que moldam o que somos e que, por sua vez, nos inspiram e nos impulsionam a seguir em frente, apesar do fato daqueles que não estão mais conosco. Julian Barnes disse em seu livro “Levels of loss” que, após a morte de sua esposa, ele percebeu muitas coisas. A primeira é que o mundo está dividido entre aqueles que experimentaram a dor da morte de um ente querido e aqueles que não o fizeram.

Este exemplo foi descoberto através de um amigo que, com muito tato, comentou que a vantagem de ter perdido a esposa é que agora ele poderia fazer tudo o que quisesse. Isso deixou Barnes muito mal, porque ele entendia a vida como um lugar compartilhado com sua esposa. De fato, se ele alguma vez fez alguma coisa, ele simplesmente gostou porque mais tarde podia contar isso ao amor de sua vida.

A segunda lição que Julian Barnes aprendeu sobre a morte é que a vida merece ser vivida apesar do vazio sangrento, apesar do vazio do outro lado da cama.

Eles sempre estarão conosco

Agora, não se trata realmente de deixar para trás, mas de reconstruir nosso presente para nos permitir um futuro mais integral, onde memórias e novas experiências formam um todo.

Há um livro muito interessante sobre o assunto, intitulado “o amor nunca morre, como se reconectar e fazer a paz com o falecido”. Nele, o Dr. Jamie Turndorf nos dá uma estratégia muito útil não só para enfrentar o luto, mas para perceber as formas que nos acompanham todos os dias diante nossos entes queridos, os que tiveram que ir por uma força maior.

Conecte-se emocionalmente com a memória para reduzir a dor dia a dia

A estratégia proposta pelo Dr. Turndorf é simples e catártica. É baseado em um diálogo interno adequado, onde podemos fechar possíveis questões pendentes, onde curar feridas e ficar com esse legado emocional que o nosso amado nos deixou.

Estas seriam algumas chaves:

. Evite que sua mente vá aos últimos momentos sozinha, deixe sua memória ser sábia e seletiva e nutra cada dia de momentos felizes, sorrisos, instantes de cumplicidade. Essa alegria de ontem irá motivá-lo no presente.

. Fale interiormente com essa pessoa, diga-lhe que sente falta dela, mas aceite, pouco a pouco, que ela está longe porque compreende que ela está bem, que está feliz. Explique que há dias em que as coisas te custam mais, mas então você ganha força porque se lembra de tudo o que ela lhe ensinou, tudo o que ela lhe ofereceu para fazer de você uma ótima pessoa.

Para concluir, este diálogo interior pode ser de grande ajuda para nós, é como criar cantos privados onde podemos nos curar dia a dia, onde podemos continuar a avançar sabendo que o amor, ao contrário do plano físico, nunca morre. Estamos diante de uma emoção eterna que nos dá consolo e uma luz imperecível. Vamos envolvê-lo, deixe-nos oferecer calor enquanto sorrimos novamente.

Traduzido do site La Mente es Maravillosa

The post As pessoas que perdemos nos acompanham de muitas maneiras appeared first on CONTI outra.



source https://www.contioutra.com/as-pessoas-que-perdemos-nos-acompanham-de-muitas-maneiras/
Compartilhe no Google Plus