Desde que tenho você eu durmo menos, mas eu sorrio mais

Você tem feito isso: desde que você chegou, você virou minha vida de cabeça para baixo, dando uma volta de 180º para o meu coração em direção à mais intensa e mais enriquecedora felicidade. Você tirou horas de sono, não há dúvida, mas também me deu um futuro. Agora sorrio mais, agora não só respiro, agora vivo de uma forma mais intensa, mais lúcida e com mais cores.

Temos certeza de que muitas mães e muitos pais de primeira viagem no mundo experimentarão isso mesmo. É como se alguém mantivesse em segredo aquelas pequenas nuances que acompanham a chegada de uma criança, onde a falta de sono, medos, amamentação, câimbras e gritos de bebê eram as letras pequenas que não se lê quando se decide ter um filho.

“A criança reconhece a mãe pelo sorriso”
-Leon Tolstói-

No entanto, nada disso importa. Na realidade, é apenas uma questão de supor que nem tudo é fácil de entender, que haverá dias mais fáceis e dias mais complexos. O importante é ler as necessidades do recém-nascido e acima de tudo … aproveitá-lo. É o que explicam, por exemplo, no interessante livro “The concept of the continuum”, de Jean Liedloff.

Quando o bebê chega ao mundo, há muitos pais que têm seu próprio esquema pré-determinado sobre o que é criar um filho. No entanto, na maternidade/paternidade não há esquemas. As regras que os nossos pais, irmãos ou amigos nos sugeriram nem sempre funcionam para os nossos próprios filhos. É só viver o dia a dia e o momento com o bebê e saber como reagir da melhor maneira, com o nosso instinto.

Da mesma forma, nunca é demais lembrar que naqueles primeiros anos de vida de nosso filho o que é realmente um “continuum”, como explica o Dr. Liedloff. Uma continuidade entre o corpo da mãe e seu bebê, onde a única coisa que conta é a proximidade, o contato, a pele, as carícias, a aparência …

E sim, pode ser exaustivo, muito desgastante, mas também tremendamente satisfatório.

Eu sorrio porque sei que estou fazendo certo

Às vezes sorrio quando vejo aquele rosto que se reflete no espelho e que mal reconheço… sou eu? Essa mulher é mesmo eu? Esses enormes círculos estão sob meus olhos? Quanto tempo se passou desde que eu penteei meu cabelo? Há quanto tempo eu negligenciei minha aparência física?

Depois de pensar em tudo isso toda vez que você tropeça por acaso com sua imagem quando vai ao banheiro, você solta um longo suspiro, depois pega aquele fio solto de cabelo que cai no seu rosto para colocá-lo atrás da orelha novamente. E qual a diferença?

A mãe orgulhosa de seu bebê não está ciente da fadiga profunda que se acumula

Às vezes acontece. A chegada de uma criança inflama os mecanismos de alarme no cérebro da mãe, onde muitas vezes ela nem percebe suas próprias necessidades físicas.

. É um mecanismo natural com o qual se garante, sem dúvida, o cuidado e a atenção corretas do bebê, entretanto, não é aconselhável nos negligenciar, não é conveniente alcançar o limite de nossas forças.

. Quando o corpo e a mente acumulam muitas horas de vigília e atenção constante, às vezes podemos cair em um estado de estresse despercebido que pode afetar seriamente a nossa saúde.

. Portanto, é necessário distribuir tarefas. O pai também cria, o pai pode realizar exatamente as mesmas tarefas que uma mulher, exceto, é claro, amamentar.

. Vamos aproveitar ao máximo as responsabilidades de distribuição da educação e também a fadiga. Deixe as olheiras afetarem ambos, vamos combinar a felicidade com as horas de sono, sorrisos e preocupações.

Portanto, lembre-se, você está maravilhosamente bem com o seu bebê, não há dúvida, e isso é motivo de alegria, mas nunca negligencie a si mesma…

Desde que você está comigo, emoções positivas me acompanham

Ser mãe, ser pai, muda certas estruturas do nosso cérebro, nós sabemos disso. Esta dose extra de ocitocina não só nos torna muito mais protetores, mais sensíveis às necessidades da criança, mas também aumenta as dimensões que nos tornam melhores, como empatia, capacidade de alcançar, resiliência, ilusões e até mesmo a necessidade de cultivar certos valores que tornam este mundo um pouco melhor.

“Nunca esqueça de sorrir, porque o dia em que você não sorrir será um dia perdido”
-Charles Chaplin-

Por outro lado, desde que você tem o seu filho em seus braços, você tornou suas fraquezas suas forças. Basta levá-lo em seus braços para que quase automaticamente, desenhe-se um sorriso. Além disso, não esqueça, porque esse sorriso não é apenas um reflexo do seu bem-estar interior.

Ele também é o farol que orienta o seu filho é um gesto emocional cheio de significado com que guiá-lo para a sociabilidade, à comunicação e ao amor para construir um vínculo que nasce do mesmo e do reconhecimento inscrito na seu sorriso.

Traduzido e adaptado do site Eresmama

Você tem feito isso: desde que você chegou, você virou minha vida de cabeça para baixo, dando uma volta de 180º para o meu coração em direção à mais intensa e mais enriquecedora felicidade. Você tirou horas de sono, não há dúvida, mas também me deu um futuro. Agora sorrio mais, agora não só respiro, agora vivo de uma forma mais intensa, mais lúcida e com mais cores.

Temos certeza de que muitas mães e muitos pais de primeira viagem no mundo experimentarão isso mesmo. É como se alguém mantivesse em segredo aquelas pequenas nuances que acompanham a chegada de uma criança, onde a falta de sono, medos, amamentação, câimbras e gritos de bebê eram as letras pequenas que não se lê quando se decide ter um filho.

“A criança reconhece a mãe pelo sorriso”
-Leon Tolstói-

No entanto, nada disso importa. Na realidade, é apenas uma questão de supor que nem tudo é fácil de entender, que haverá dias mais fáceis e dias mais complexos. O importante é ler as necessidades do recém-nascido e acima de tudo … aproveitá-lo. É o que explicam, por exemplo, no interessante livro “The concept of the continuum”, de Jean Liedloff.

Quando o bebê chega ao mundo, há muitos pais que têm seu próprio esquema pré-determinado sobre o que é criar um filho. No entanto, na maternidade/paternidade não há esquemas. As regras que os nossos pais, irmãos ou amigos nos sugeriram nem sempre funcionam para os nossos próprios filhos. É só viver o dia a dia e o momento com o bebê e saber como reagir da melhor maneira, com o nosso instinto.

Da mesma forma, nunca é demais lembrar que naqueles primeiros anos de vida de nosso filho o que é realmente um “continuum”, como explica o Dr. Liedloff. Uma continuidade entre o corpo da mãe e seu bebê, onde a única coisa que conta é a proximidade, o contato, a pele, as carícias, a aparência …

E sim, pode ser exaustivo, muito desgastante, mas também tremendamente satisfatório.

Eu sorrio porque sei que estou fazendo certo

Às vezes sorrio quando vejo aquele rosto que se reflete no espelho e que mal reconheço… sou eu? Essa mulher é mesmo eu? Esses enormes círculos estão sob meus olhos? Quanto tempo se passou desde que eu penteei meu cabelo? Há quanto tempo eu negligenciei minha aparência física?

Depois de pensar em tudo isso toda vez que você tropeça por acaso com sua imagem quando vai ao banheiro, você solta um longo suspiro, depois pega aquele fio solto de cabelo que cai no seu rosto para colocá-lo atrás da orelha novamente. E qual a diferença?

A mãe orgulhosa de seu bebê não está ciente da fadiga profunda que se acumula

Às vezes acontece. A chegada de uma criança inflama os mecanismos de alarme no cérebro da mãe, onde muitas vezes ela nem percebe suas próprias necessidades físicas.

. É um mecanismo natural com o qual se garante, sem dúvida, o cuidado e a atenção corretas do bebê, entretanto, não é aconselhável nos negligenciar, não é conveniente alcançar o limite de nossas forças.

. Quando o corpo e a mente acumulam muitas horas de vigília e atenção constante, às vezes podemos cair em um estado de estresse despercebido que pode afetar seriamente a nossa saúde.

. Portanto, é necessário distribuir tarefas. O pai também cria, o pai pode realizar exatamente as mesmas tarefas que uma mulher, exceto, é claro, amamentar.

. Vamos aproveitar ao máximo as responsabilidades de distribuição da educação e também a fadiga. Deixe as olheiras afetarem ambos, vamos combinar a felicidade com as horas de sono, sorrisos e preocupações.

Portanto, lembre-se, você está maravilhosamente bem com o seu bebê, não há dúvida, e isso é motivo de alegria, mas nunca negligencie a si mesma…

Desde que você está comigo, emoções positivas me acompanham

Ser mãe, ser pai, muda certas estruturas do nosso cérebro, nós sabemos disso. Esta dose extra de ocitocina não só nos torna muito mais protetores, mais sensíveis às necessidades da criança, mas também aumenta as dimensões que nos tornam melhores, como empatia, capacidade de alcançar, resiliência, ilusões e até mesmo a necessidade de cultivar certos valores que tornam este mundo um pouco melhor.

“Nunca esqueça de sorrir, porque o dia em que você não sorrir será um dia perdido”
-Charles Chaplin-

Por outro lado, desde que você tem o seu filho em seus braços, você tornou suas fraquezas suas forças. Basta levá-lo em seus braços para que quase automaticamente, desenhe-se um sorriso. Além disso, não esqueça, porque esse sorriso não é apenas um reflexo do seu bem-estar interior.

Ele também é o farol que orienta o seu filho é um gesto emocional cheio de significado com que guiá-lo para a sociabilidade, à comunicação e ao amor para construir um vínculo que nasce do mesmo e do reconhecimento inscrito na seu sorriso.

Traduzido e adaptado do site Eresmama

Via A Soma de Todos os Afetos

The post Desde que tenho você eu durmo menos, mas eu sorrio mais appeared first on CONTI outra.



source https://www.contioutra.com/desde-que-tenho-voce-eu-durmo-menos-mas-eu-sorrio-mais/
Compartilhe no Google Plus