A maldição de tentar cumprir as expectativas que os pais impõem

Muitas pessoas sofrem todas as suas vidas com esse sentimento opressivo de culpa; eles sofrem a sensação de não terem cumprido as expectativas que seus pais lhes impunham. Esse sentimento é mais forte do que qualquer visão intelectual que eles possam ter, o que não é tarefa ou dever de uma criança satisfazer as necessidades de seus pais. Nenhum argumento pode superar esses sentimentos de culpa, pois eles têm seus inícios nos primeiros períodos da vida e, portanto, derivam sua intensidade e teimosia.

Por que as crianças precisam atender às expectativas dos pais?

A maioria das crianças, se não todas, está sujeita às expectativas e padrões de seus pais e outras figuras de autoridade. Isto é principalmente devido à natureza de ser desamparado e dependente, portanto, eles dependem de um cuidador, independentemente de como eles o tratam.

Desde que uma criança precisa de seus cuidadores para sobreviver, eles não têm escolha senão atender a qualquer uma dessas expectativas e padrões. Além disso, desde que uma criança é nova no mundo, eles não têm nenhum ponto de referência para o que parece saudável e insalubre. Portanto, eles tendem a pensar que tudo o que estão passando é normal. Como eles saberiam o contrário? Isso é chamado de normalização, ou seja, racionalizar o tratamento anormal, prejudicial, tóxico e abusivo como normal.

Isso é agravado porque muitas vezes é proibido sentir e expressar suas verdadeiras emoções, pensamentos, necessidades, preferências e reclamações, tudo isso é uma expectativa doentia por si só.

E assim, uma criança aceita qualquer papel que seus cuidadores atribuem a eles. Alguns desses papéis são exercidos pelos membros da família, a escola, a igreja, a comunidade, os colegas e a sociedade em geral. Mas principalmente por causa de seus pais, porque os pais têm o maior poder e influência sobre o desenvolvimento de uma criança.

Como vivemos em um mundo traumatizado e traumatizado, muitas crianças crescem negativamente afetadas pelos padrões, funções e expectativas que são impelidas a cumpri-las ativa ou passivamente.

Papéis e expectativas para as crianças: alguns exemplos

Existem tantos padrões, expectativas e papéis dentro dos quais as crianças são forçadas que não acabaríamos nomeando-as. Aqui, no entanto, vamos ver alguns exemplos comuns.

“Eu queria um menino / menina”

Muitos pais têm uma preferência específica pelo gênero de seus filhos. Muitos deles até dizem isso à criança explicitamente. “Eu sempre quis um filho” (ele diz para uma garota) ou “Eu queria que você fosse uma menina” ou “Por que você não nasceu como uma criança …?”

Isso faz com que a criança se sinta indesejada, defeituosa, inerentemente ruim, desagradável ou decepcionante. Além disso, isso também é algo que a criança não tem influência. O melhor que podem fazer é tentar parecer mais com o que o cuidador quer que eles sejam: mais “feminino”, mais “masculino”, mais prático, “mais agradável”, mais bonito, mais agressivo, etc. Se refletirem melhor a imagem de gênero preferida na mente do cuidador, poderão esperar pelo menos serem aceitos e amados marginalmente.

“Eu sempre quis que meu filho fosse como eu”

Aqui o cuidador tenta moldar seu filho nele. Eles querem que a criança tenha os mesmos interesses, os mesmos hobbies, as mesmas maneiras, as mesmas crenças, até as mesmas aparências. Basicamente, eles querem que seu filho seja uma versão menor ou uma extensão de si mesmo.

“Eu quero que meu filho se torne X”

Esta é uma extensão do ponto anterior, mas relacionada a um papel específico mais amplo, como uma carreira. Uma criança é frequentemente empurrada para seguir o caminho de seus pais. Por exemplo, um pai que é médico espera que seu filho também se torne médico, e ele se sente desapontado ou até mesmo zangado se a criança não quiser segui-lo.

Esta é uma das razões pelas quais tantas crianças continuam a “tradição familiar” de seguir determinada profissão. Embora, por vezes, a criança esteja naturalmente interessada no campo ou na disciplina, porque é exposta a ela desde cedo, muitas vezes a criança é forçada ou manipulada, o que torna o processo antinatural.

Vários papéis psicológicos

Aqui, a criança recebe um certo papel psicológico: um cuidador de seus pais ou outros membros da família, um bode expiatório, uma criança de ouro, um cônjuge substituto, um fracasso constante, um salvador e muitos outros. Estes são bastante auto-explicativos e muitos de nós tiveram que viver uma versão deles para um grau ou outro.

Uma vez que um papel é estabelecido, a criança geralmente o internaliza e se torna parte de sua personalidade e, como resultado, é levada para a idade adulta.

Efeitos negativos de não atender às expectativas do cuidador

Novamente, uma vez que a sobrevivência de uma criança depende de seu cuidador, a criança não tem escolha a não ser assumir qualquer papel ou norma deve se reunir para ser aceito e amado, pelo menos condicionalmente. As tentativas de resistir são geralmente reconhecidos como desobediência, como “ser mau” e que a criança é punido: ativo (batendo, gritando) ou passiva (tratamento silencioso, rejeição ou recriminação por não atender as expectativas do cuidador).

A criança muitas vezes cresce pensando que é realmente um fracasso, uma decepção, uma pessoa má. Tal pessoa muitas vezes luta com culpa tóxica e vergonha. Eles também estão confusos sobre quem eles realmente são, uma vez que eles foram condicionados a não serem eles mesmos e a serem o que se espera que sejam. Em outras palavras, eles são condicionados a se cancelar.

Os primeiros papéis e expectativas estabelecidos por nossos cuidadores são muito difíceis de esquecer e podem levar meses ou anos de terapia e trabalho autônomo para identificá-los e evitá-los.

Quais papéis e padrões você esperava encontrar ao crescer? Você ainda está tentando fazer isso como um adulto?

Texto traduzido por Psicologias do Brasil, do site La vida lucida
Imagem de StockSnap via Pixabay

The post A maldição de tentar cumprir as expectativas que os pais impõem appeared first on CONTI outra.



source https://www.contioutra.com/a-maldicao-de-tentar-cumprir-as-expectativas-que-os-pais-impoem/
Compartilhe no Google Plus