Não existe sucesso profissional que compense o adoecimento mental

No início dos anos 80, quando Howard Scott Warshaw, de 23 anos, encontrou-se frente a frente com Steven Spielberg, ele ficou muito animado. Warshaw fez um nome para si mesmo no Vale do Silício depois de criar o blockbuster Atari 2600 Indiana Jones, levando Spielberg a escolhê-lo para projetar E.T. um jogo baseado no popular filme de 1982. Enquanto Atari e Spielberg pechincharam sobre os direitos do jogo, o precioso tempo de produção foi perdido. Isso deixou Warshaw com cinco semanas para criar o jogo do zero.

O jogo de Indiana Jones levou um ano inteiro. Warshaw trabalhou freneticamente 24-7, produzindo o que acabou sendo amplamente conhecido como o “pior jogo de todos os tempos”. Ele fracassou tanto que os jogos em excesso tiveram que ser enterrados em um aterro sanitário no Novo México. Nosso trabaldo num rápido movimento pode nos espremer em situações similares.

Os ambientes de trabalho de hoje estão sendo chamados de “riscos modernos” – em que espera-se que se apresentem como robôs e máquinas para atender às demandas, realizar nossos trabalhos e sermos vistos como “bem-sucedidos”. Em todo o mundo, estamos pagando o preço. A Organização Mundial da Saúde nomeou a depressão como uma “crise global”.

O esgotamento é o risco ocupacional número um, tornando-se o “novo normal”. A ocupação é considerada um distintivo de honra. Somos solicitados a pensar como máquinas, lidar com listas a uma velocidade vertiginosa e responder dentro de 0,006 segundos, para não sermos vistos como indiferentes. E nos perguntamos por que os tempos modernos foram apelidados de “Era da Ansiedade”. O que torna isso complicado é que estamos preparados para trabalhar duro. Há uma corrida neuroquímica palpável que acompanha o engajamento.

Um trabalho bem feito é algo para se orgulhar; uma ética de trabalho sólida é nobre. Esforçar-se pela excelência não é inerentemente prejudicial. O trabalho fornece um senso de identidade e realização. Permite-nos avançar causas e inovar. Existe um valor incrível no trabalho. Mas, como ressalta Jeffrey Pfeffer, autor de Dying for a Paycheck, há perigos em ambientes de trabalho tóxico, que trazem riscos à nossa saúde mental e física.

1. Não há “sucesso” sem saúde mental.

Contracheques, elogios, bônus, cartas após o seu nome, títulos extravagantes, status e / ou as coisas que você compra com seu contracheque não podem trazer de volta sua saúde. Se você está em uma empresa que leva o almoço para mantê-lo acorrentado à sua mesa e espera que você responda a e-mails enquanto dorme, talvez seja necessário falar sobre isso ou sair. Se você se desgastar muito, sua capacidade a longo prazo para se sair bem no trabalho e ficar bem será interrompida. Nada vale a pena ficar doente (ou até mesmo morrer por um trabalho).

2. É mais provável que você se saia bem e fique bem quando definir limites.

Conheça a diferença entre trabalhar e trabalhar demais. Não se apegue à mentalidade de commodity de hoje, onde as pessoas são tratadas como bens – como ações humanas, não seres. Identifique seus limites e os honre. Torne a resiliência sua prioridade número um. Mantenha a sustentabilidade à frente – você não pode correr por maratonas por dia sem entrar em colapso.

Defina um ritmo razoável e certifique-se de dedicar tempo adequado para reagrupar e engajar-se em atividades de autocuidado e aumento da saúde, incluindo sono, tempo social, exercícios e lazer. A prevenção é menos dispendiosa do que o reparo. Pesquisas mostram que estabelecer limites para abrir espaço para “rituais de quebra” e “tempo de eu” realmente ajuda a eficiência e a produtividade. Apesar das premissas em que muitos locais de trabalho operam, dar espaço para o bem-estar dos funcionários custa menos do que rotatividade, burnout, presenteísmo e absenteísmo.

3. Reimagine seu legado.

Ninguém vai se levantar em seu funeral e falar sobre a rapidez com que você respondeu seus e-mails ou como seu perfil do LinkedIn estava empilhado. Cuidado com a mentalidade do papel como identidade única – o tipo que confunde o que você faz ao definir quem você é. Atente para a isca de status, que deixa você apto a confundir uma “Vida de Bens” por “A Boa Vida” – o que os psicólogos caracterizam como um que nos permite florescer através de profunda conexão, atenção plena e presença.

Reimagine o sucesso para garantir um legado expansivo que reflita seu verdadeiro propósito, não aquele que o relega para definir seu valor com base unicamente em métricas de desempenho que não começam a capturar as contribuições que você é capaz de fazer no mundo.

Desde a época de sua E.T. debacle, Warshaw é agora conhecido como o “terapeuta do Vale do Silício”, treinando colegas de alto escalão a serem um pouco mais autocompetentes e a ver seus “fracassos” como lições. Seu legado nos lembra que o “sucesso” dentro do mercado nem sempre pode ser controlado, mas que podemos reimaginar as maneiras como o definimos para manter a saúde mental intacta e encontrar nosso caminho para “A boa vida” juntos.

***

Texto traduzido de Psychology Today

Imagem de Lukas Bieri por Pixabay

The post Não existe sucesso profissional que compense o adoecimento mental appeared first on CONTI outra.



source https://www.contioutra.com/nao-existe-sucesso-profissional-que-compense-o-adoecimento-mental/
Compartilhe no Google Plus