O amor como terapia: hospitais de Porto Alegre autorizam visita de animais de estimação a pacientes internados

A alegria e o amor que um animal de estimação consegue transmitir são poderosos instrumentos para tornar mais feliz a vida de muita gente. Eles estão sempre ao nosso lado, nos melhores e nos piores momentos, e muitas vezes nos ajudam a superar situações difíceis, como um término de relacionamento, ou a perda de um ente querido. E sabendo disso, alguns hospitais de Porto Alegre resolveram colocar em prática uma nova diretriz, eles passaram a permitir a visita de cachorros de estimação aos pacientes. O São Lucas da PUCRS, por exemplo, anunciou recentemente que passou a autorizar a visita de cachorros de estimação aos pacientes.

Resultado de imagem para hospital O amor como terapia: hospitais de Porto Alegre autorizam visita de animais de estimação a pacientes internados
Imagem: Conti Outra
O São Lucas, da PUCRS, é um dos hospitais que incorporou a prática em dia a dia. Foi anunciado recentemente que os pacientes internados há mais de sete dias podem pedir para receber seus animais, no projeto batizado de Pata Amiga. Segundo a equipe do hospital, a iniciativa proporciona um contato que serve como terapia.

“A capacidade de brincar e doar amor diminui muito o estresse”, explica a diretora assistencial da instituição, Simone Ventura.

Para participar, é preciso ter autorização do médico que atende o paciente. O processo, esclarece o hospital, é acompanhado por colaboradores e de acordo com o combinado com a família. O animal precisa estar vacinado, com atestado veterinário e estar de banho tomado.

Marieta Pasqualotti, que passou por uma internação no hospital, recebeu a visita de Phoebe, sua cachorra. “Toda vez que a minha mãe tem que ficar internada, a nossa cadelinha fica muito triste”, conta a filha da paciente, Marilene.

“Quando ficamos sabendo que poderíamos trazer a Phoebe, a nossa família ficou muito feliz e, no dia da visita, foi muito emocionante para todos. A mãe se emocionou ao ver ela”, comenta a filha.

Uma das coordenadoras da iniciativa, a enfermeira Roberta Marco comenta que existem estudos sobre os benefícios psicológicos e fisiológicos das visitas dos animais de estimação para pessoas hospitalizadas.

“No São Lucas, as experiências vêm sendo muito positivas. Temos inúmeros relatos das equipes médicas sobre casos em que a ação trouxe uma grande e positiva evolução assistencial nesses pacientes”, diz.

Ações parecidas já aconteceram no Hospital Centenário, em São Leopoldo, na Região Metropolitana de Porto Alegre. Há pouco mais de dois anos, a equipe médica se mobilizou para levar o cavalo de um paciente, que ganhou alta logo após a visita, em Porto Alegre.

Segundo o Sindicato dos Hospitais e Clínicas de Porto Alegre, além do São Lucas, o Hospital Conceição e o Independência possuem protocolos que permitem a visita de animais.

As crianças atendidas pelo Instituto do Câncer Infantil do Hospital Criança Conceição recebem a visita do cãozinho Buzz uma vez por mês.

“Para as crianças que ficam a maior parte do tempo dentro de um hospital, o animalzinho traz um ambiente de humanização, dá mais força para o tratamento deles, deixando-os mais alegres”, contou Regina Jaeger, técnica em educação do HCC, que organiza as atividades lúdicas para os pacientes.

Uma internação representa um período em que a pessoa deixa sua rotina e precisa se privar de alguns hábitos em função do tratamento médico, como lembra Valquíria Inês Pacheco Martins, integrante da Gestão de Risco Assistencial do Hospital Nossa Senhora Conceição.

“É um momento em que ele sai de todo o seu contexto social. Contato e convívio com amigos, familiares, hábitos que estão acostumados entre outras coisas. Isso afeta nossos pacientes, pode gerar ansiedade, desconforto e aflição”, avalia.

A presença de um animal de estimação retoma o contexto de vida da pessoa, segundo Valquíria. “Traz benefícios ao paciente e até mesmo abrevia sua internação”, confirma.

Animais de estimação são tudo de bom, não é mesmo? Seria incrível se mais hospitais pelo país resolvessem adotar a prática.

Com informações de G1

Editor Local: Willen Benigno de Oliveira Moura
Compartilhe no Google Plus