Quando um “‘me desculpe” não é sincero, o engano que nem sempre vemos

Às vezes, um “me desculpe” em voz alta esconde o lado oposto da falsidade. No entanto, aceitamos as desculpas porque precisamos confiar, porque é difícil admitir que essa pessoa significativa está nos traindo. E, mesmo assim, acontece. A busca enganosa do perdão ocorre com muita frequência, porque aqueles que comercializam com nossos sentimentos não hesitam em fazer uso desse recurso.

Ninguém nos ensinou a decodificar um pedido de desculpas para saber se isso é sincero ou, ao contrário, oculta uma manipulação. Na verdade, a maioria de nós foi educada para saber como pedir perdão, para entender que pedir desculpas é mais do que apenas gentileza social. É, acima de tudo, um ato sincero com o qual reparar relações e mal-entendidos, favorecendo assim uma conexão mais respeitosa e autêntica com aqueles que nos rodeiam.

Como podemos desconfiar de alguém que busca o nosso perdão? Além do mais, como podemos duvidar se o que pede é o nosso parceiro ou um amigo que é quase uma família? Em média, não o fazemos. Não duvidamos, cedemos e aceitamos suas intenções, suas palavras, seus gestos e sua atitude. Agora, além de tornarem-se obsessivos desconfiados, é aconselhável não aceitar as boas intenções como garantidas.

Um pedido de desculpas autêntico deve ter o poder de reparar e você tem que percebê-lo no dia a dia. Aqueles que pedem perdão o fazem de uma realidade emocional onde a sinceridade deve brilhar e não a manipulação. Estar atento a esses sinais pode nos ajudar, embora, sim, decodificá-los não seja algo simples.

Quando um “me desculpe” não é sincero, por que eles mentem para nós?

Quando um “me desculpe” não é sincero, um ato de manipulação é realizado. Alexander Pope disse que errar é humano e perdoar o divino, mas o famoso poeta inglês negligenciou um aspecto pequeno e curioso, às vezes somos nós que erramos no perdão daqueles que não o merecem. Agora, mas por que eles fazem isso? Por que há alguém que sempre tem um ‘sinto muito’ em seus lábios e também faz um esforço para tornar seu pedido de desculpas credível?

Karina Schumann, professora de psicologia na Universidade de Pittsburgh, fez um estudo interessante sobre o mecanismo psicológico por trás do ato de pedir desculpas. Assim, algo que o Dr. Schumann e sua equipe colocam em evidência é que nem todo mundo é capaz de dar o passo e dizer em voz alta um ‘sinto muito’. Agora, entre aqueles que o fazem, uma pequena porcentagem desse grupo não procura reparar um dano nem se preocupa excessivamente com o delito que pode ter sido cometido.

Essas seriam, portanto, algumas das causas desse engano.

Vitimização e busca do perdão

“Perdoe-me, eu não sei o que acontece comigo, mas ultimamente eu faço tudo errado, eu sou um desastre que não sabe como ficar sem você’ Eu realmente sinto muito, eu fiz isso de novo, eu não tenho escolha, mas eu tenho minha cabeça em muitos coisas, mas você já sabe que para mim você é ou mais importante… “.

Nesse tipo de argumento, nunca se dá atenção ao ato cometido, ao erro, à negligência ou à ofensa. O olhar é colocado apenas naqueles que pedem para ser perdoado, naquela pessoa que faz uso de manipulação emocional, que puxa sentimentos e vitimismo para tocar a fibra sensível da pessoa diante deles. É um recurso como vemos enganoso e com um duplo reverso.

O pedido de desculpas que pede culpado

Às vezes, depois de um “me desculpe”, a sombra da acusação pode aparecer. Estas são situações muito prejudiciais que tendem a ocorrer nessas relações diádicas entre casais ou parentes próximos.

Um exemplo dessa tática é quando essa pessoa significativa nos diz que “eu sinto o que aconteceu, mas você sabe que isso não teria acontecido se você não tivesse se comportado assim”, peço desculpas, mas você deve entender que, quando agir Dessa forma, isso me afeta no final e essas coisas acontecem.

Devemos ter cuidado com esse tipo de situação, eles são altamente danosos e dão forma a um tipo de manipulação culpatória.

O efeito reincidente e o capacho

Há pessoas que sempre têm um “me desculpe” em suas bocas. Eles são reincidentes, caem expressamente no mesmo erro repetidas vezes porque não se importam, porque sabem que é suficiente para eles pronunciarem essas duas palavras com delicado calor e sutil charme, para serem perdoadas sempre que estiverem.

Agora, por trás desse comportamento prejudicial também está o ‘efeito capacho’. Este último termo refere-se àquela pessoa que perdoa uma vez e outra porque ele tem um relacionamento dependente, porque ele teme perder alguém que o machuca, mas quem ele ama profundamente afinal.

O amor realmente significa não ter que dizer “me desculpe”?

A frase “amar não é ter que dizer que me desculpe” adquiriu uma notável transcendência na sequência do filme Love Story. É comum, na verdade, encontrá-lo compartilhado nas redes sociais, dando a ele uma validade tão perigosa quanto falsa. Se há algo que devemos entender sobre relacionamentos, sejam eles afetivos, amizade ou qualquer outro tipo, é que o ato sincero de pedir perdão por qualquer comportamento, erro, engano, negligência ou ofensa cometida é tão necessário quanto saudável.

A comunicação e a vontade expressa e autêntica de reparar qualquer situação em que alguém tenha sido ferido em algum aspecto, por menor que seja, é fundamental em cada elo. Agora, como apontamos ao longo do artigo, deve haver veracidade e sinceridade nesse propósito. Vamos tomar cuidado para que este seja o caso.

Tradução de A Soma de Todos os Afetos

Artigo escrito por Valeria Sabater via lamenteesmaravillosa

The post Quando um “‘me desculpe” não é sincero, o engano que nem sempre vemos appeared first on CONTI outra.



source https://www.contioutra.com/quando-um-me-desculpe-nao-e-sincero-o-engano-que-nem-sempre-vemos/
Compartilhe no Google Plus