“Tudo vale a pena quando a alma não é pequena”

Essa frase é de Fernando Pessoa, um dos maiores poetas de todos os tempos, que nos leva a questionar: O que é alma? O que é uma alma pequena? Vamos tentar responder essas questões, para entender porque existem pessoas com “alma pequena”, que machucam seus semelhantes. E para isso, recorremos ao poeta, à filosofia e suas texturas com a psicanálise.

A palavra alma vem do Latim “animu”, que significa o que anima e do grego deriva de “anemos”, ou seja: ar, sopro. O termo alma também se refere a uma entidade imaterial, que todos os seres vivos possuem, conforme as diferentes tradições filosóficas e religiosas.

Sigmund Freud criou o método psicanalítico, que primeiro chamou de “neurologia da alma” e depois de “medicina da alma”. Ele estudou a fundo a filosofia greco-romana, que considera alma como a dimensão humana mais importante e o princípio de organização dos seres vivos, sendo utilizada para explicar a complexidade da vida e articular suas diversas funções vitais.

Para Carl Jung, a alma humana vive em uma unidade indissolúvel ao corpo, pois ela é um conteúdo relativo ao sujeito, que está ligada ao mundo do inconsciente, da psique. E Jung nos aconselhou: “Sua percepção se tornará clara somente quando você puder olhar para dentro de sua alma.”

As pessoas de almas pequenas esvaziaram seu “sopro” e escureceram seu ente imaterial, deixando-se dominar pela pulsão de morte. Aliás, elas se negam a olhar para dentro de sua alma, que se dissolve do corpo e da psique, condenando-as a uma vida sem sentido e a uma prisão sem grades.

É por isso que elas não se comovem e nem se sensibilizam diante do sofrimento dos enfermos, dos mais necessitados, dos pobres e dos desempregados, que vivem em um mundo desalmado e sem coração. Além disso, se recusam a dar e receber quaisquer gestos de afeto.

Porém, o oposto de almas pequenas são aquelas almas que se abrem como “asas de anjos”, prontas a ajudar a quem sofre e precisa de luz para continuar sua jornada. É como disse o místico Fernando Pessoa: “Tudo vale a pena quando a alma não é pequena”, porque para Pessoa todas as ações, mesma as mais singelas são de grande importância,quando feitas de coração e alma, sobretudo, em uma sociedade que nega esses sentimentos.

Essa dimensão psicoespiritual, só é possível quando conhecermos o nosso “Self ou Si-mesmo”. Para psicanálise junguiana, isso representa uma imagem arquetípica do potencial mais pleno do homem, que permite entrar em lume: a alma que é capaz de romper com as fronteiras do próprio “eu”, que nos impulsiona em direção do numinoso, constituindo-se um recurso inato da humanidade.

Portanto, todos nós sentimos a necessidade de buscar a psicoespiritualidade, cada um com seu jeito especial de encontrar o numinoso na sua perspectiva amorosa e generosa. Trata-se, simbolicamente, de uma qualidade sobrenatural, que descobrimos nas relações humanas, mas quando “a alma não é pequena”.

***

Jackson César Buonocore é sociólogo e psicanalista

The post “Tudo vale a pena quando a alma não é pequena” appeared first on CONTI outra.



source https://www.contioutra.com/tudo-vale-a-pena-quando-a-alma-nao-e-pequena-2/
Compartilhe no Google Plus