Será que Raul Seixas morreu cedo demais?

Raul Seixas falesceu no dia 21/08/1989 aos 44 anos. Publico esse pequeno texto em homenagem a ele 30 anos depois, no dia 21/08/2019, levantando essa pergunta do título: Será que Raul Seixas morreu cedo demais? Muitos dirão que sim, outros que não, e outros simplesmente dirão, não sei!

Lendo o livro “Raul Seixas: Estudos Interdisciplinares”, que traz uma coletânea de artigos, no artigo da Mônica Buarque intitulado “Rebeldia e negociação na trajetória artística de Raul Seixas”, dois trechos me chamaram bastante atenção e me inspiraram na escrita desse texto.

Em um texto de 1971, o cantor se pergunta “onde está Raul” enumerando suas contradições e responde não estar “ali ou aqui, rótulos prontos para serem usados”: No intelectual? No menino família? No hippie, no político? No eterno hipocondríaco? No sensual? No estudante de filosofia? No compositor popular? Ou quem sabe no poeta modernista? No cínico? No produtor de discos? – Raul Seixas

Escreve ele, em 1974, um texto que compõe o mesmo livro: “Já tinha feito tudo com meus 29 anos. Nada mais me interessava. Aí foi o começo do meu renascer para Raul Santos Seixas”. Para então chegar a ser Raul Seixas, seu personagem mais querido.

*****

Fiquei refletindo enquanto lia: “Uau! Como ele fez muita coisa em 44 anos…”. É nessa hora que começo a desconfiar. Será mesmo que ele viveu pouco? Será mesmo que ele morreu muito cedo? Quero de antemão dizer que a minha resposta é: “não sei” Ok? Estou apenas filosofando a partir das suas palavras e da sua obra tão vasta.

Ele na infância era bem religioso, frequentava a igreja regularmente por influência principalmente da mãe. Tem até uma foto famosa dele criança com um crucifixo e todo arrumadinho de terno e gravata borboleta. Veja! Era um menino lindo esse Raul!

Ainda criança, junto com seu amigo Waldir Serrão, ele criou o primeiro fã-clube do Elvis Presley, a quem amava imensamente e que lhe influenciou total como músico.

No final da adolescência ele fez a sua 1ª banda que se chamava “Relâmpagos do Rock” e depois mudou para “The Panthers”, ou de forma aportuguesada “Raulzito e os seus panteras”. Essa banda não fez muito sucesso e acabou se desfazendo mais pra frente!

Ele sempre gostou da cultura norte-americana e da língua inglesa. Muito jovem já falava inglês fluentemente. E como ele era esperto, trabalhou um tempo como professor de inglês. Deu pra ele ganhar uma graninha, pelo menos eu acho!

Ele casou pela primeira vez com uma jovem bem dondoca, filha de um pastor evangélico norte-americano bem tradicional. Seu nome é Edith Wisner. Duas curiosidades: ele casou exatamente no dia que completou 22 anos (28/06/1967) e o seu sogro exigiu que ele fizesse um curso universitário, senão não daria a mão da sua filha em casamento.

Acho que ele deve ter pensado assim: “Oxi! Não vou deixar minha gata por causa de uma besteira dessas. Vou mostrar pro véi que essa besteira de vestibular é fácil de passar…”.

Ele estudou pra caramba. Fez 6 meses de um cursinho pré-vestibular e passou pra 3 faculdades ao mesmo tempo: “Direito, Psicologia e Filosofia”. Era fraco o rapaz hein?

Com isso o sogrão talvez tenha pensado: “Agora sim a minha filha está ao lado de um rapaz decente, estudioso, que vai dar um futuro bonito pra minha filha…”.

O que ele não sabia é que o Raul amava mesmo era a música e abandonou o curso de Filosofia pouco depois que entrou: “Para nossa alegria!”, como diria uma famosa música.

Tornou-se produtor musical na CBS Discos, uma das maiores gravadoras da época. Compôs músicas para grandes artistas como Jerry Adriani, Renato e seus Blue Caps, Diana, Odair José, Wanderleia entre outros. Você sabia que tem um monte de músicas do Raul que você jura que são de outros artistas, mas que são dele? Conheça um pouquinho mais da história do Raul! Vale a pena viu?

Ele fez uma parceria muito louca com o Paulo Coelho, seu grande “inimigo íntimo”, adjetivo que eles se davam mutuamente. Compuseram músicas geniais juntos como “Al Capone”, “A hora do trem passar”, “Gita”, “Eu nasci há dez mil anos atrás”, “Canto para minha morte”, “Loteria da Babilônia”, “As minas do Rei Salomão”, “Ave Maria da Rua”, “A maçã”, “Medo da chuva” e tantas outras! Uau! Eu me arrepio só de pensar nessas músicas sendo gestadas…

Ele fez outras parcerias incríveis como o Marcelo Nova, Sergio Sampaio, Edy Star, Claudio Roberto, Marcelo Motta, Oscar Rasmussen etc. Pessoas que muito contribuíram para que ele jamais se perdesse pelo caminho, por conta principalmente do vício no álcool.

Ele casou 5 vezes no total e teve 3 filhas. Uma delas é a Kika Seixas, que se tornou musicista e faz bastante sucesso.

Ao longo de seus 44 anos, ele compôs mais de 300 músicas. Escreveu um monte de coisas que se transformaram em livros ainda na sua vida e muito material serviu de inspiração para dezenas de livros póstumos falando sobre ele, sua vida e carreira.

O grande Sylvio Passos criou o maior fã clube do Raul, que é o Raul Rock Club (RRC), com milhares de fãs do Raul espalhados pelo mundo todo. O Sylvio tem preciosidades que o Raul deixou que são trancadas à sete chaves e ai de quem tentar se apossar delas! Ele não deixa de jeito nenhum…

Raul influenciou várias gerações e continua influenciando. Muitos até dizem: “Raul Seixas não morreu”. E basta você ir a qualquer show de rock. Sempre, sempre. Acredite! SEMPRE terá ao menos uma pessoa que vai gritar: “Toca Raul”.

Há zilhares de outras coisas a se falar do Raul, mas não vou esticar para a leitura não ficar cansativa.

30 anos sem esse baiano magricelo genial, como sempre gosto de dizer! Queria muito tê-lo visto em algum show. Mas como sou jovem, isso não foi possível.

Enfim! Concluo mais uma vez com a mesma pergunta: Será que Raul Seixas morreu cedo demais?…

The post Será que Raul Seixas morreu cedo demais? appeared first on CONTI outra.



source https://www.contioutra.com/sera-que-raul-seixas-morreu-cedo-demais/
Compartilhe no Google Plus