Conheça o zika vírus que está circulando no RN

Casos na Bahia, no Rio Grande do Norte e em São Paulo mostram que a zika chegou ao Brasil; vírus é transmitido pelo mosquito da dengue, o aedes aegypti

A zika foi relatada pela primeira vez na África, na floresta Zika, em Uganda - daí veio o nome
STOCKXPERT/ARQUIVO
A zika foi relatada pela primeira vez na África, na floresta Zika, em Uganda - daí veio o nome
Como se não bastasse a dengue e o chikungunya atemorizando o Brasil, chega mais uma doença para preocupar. É o vírus da zika, ou zika virus, como é mais conhecido. Transmitido também pelo aedes aegypti, pode-se dizer que ele é um vírus “primo” da dengue, mas com consequências menores. Febre, dores no corpo e náuseas são alguns dos sintomas apresentados por esse vírus e os médicos têm dificuldade em diferenciá-lo da dengue ou do chikungunya. Mais de 15 casos já foram identificados na Bahia, Rio Grande do Norte e em Campinas, no interior de São Paulo.
Segundo a infectologista do Hospital Badim, no Rio de Janeiro, uma das hipóteses é que a zika tenha chegado ao Brasil durante a Copa do Mundo de 2014.
A zika se manifesta com uma febre mais baixa do que a dengue, mas em muitos casos, além da dor no corpo comum, causa conjuntivite e irritação na pele. No entanto, ela não causa queda de plaquetas como na dengue, portanto não há risco de hemorragias.
Em tese, o paciente que contrair a zika poderia ser tratado com medicamentos comuns que são proibidos nos casos de dengue, como o caso do ácido acetilsalicílico (AAS). Os médicos, no entanto, não permitem, já que o exame que detecta qual tipo de vírus contaminou o doente só fica pronto em 12 dias, e até esse resultado sair não é possível saber se é dengue, chikungunya ou zika. Se o enfermo usar o AAS e não for zika, e sim dengue, o risco de complicações é muito alto, já que o remédio pode causar sangramentos. Logo, o AAS continua proibido em todos os casos.
Os laboratórios comuns, no entanto, não têm infraestrutura para detectar a zika. Atualmente, segundo o infectologista do Hospital 9 de Julho, Antônio Pignatari, os exames são feitos nos laboratórios do Instituto Adolfo Lutz e Fiocruz.
De onde a zika veio
A zika foi relatada pela primeira vez na África, na floresta Zika, em Uganda - daí o nome. Os macacos rhesus estavam infectados, diz Pignatari. “Ele foi isolado na década de 40, e é muito parecido com o vírus da dengue”, conta. “Agora, podemos ter os três circulando no Brasil”.
Em tese, quem é contaminado uma vez desenvolve imunidade contra o vírus. Pignatari faz uma ressalva: por ser um vírus ainda não muito estudado, não se sabe se há outras variações dele, o que dificultaria a fabricação de uma vacina e faria uma pessoa ser contaminada mais de uma vez.
Via sexual
A coordenadora do Comitê de Medicina de Viagem da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Sylvia Lemos Hinrichsen explica que se levantou a hipótese de que o vírus pode ser transmitido por via sexual, contrariando o comportamento de seus “parentes”, como a dengue e o chikungunya.
Um estudo feito com uma população polinésia em 2013, quando houve um surto na Polinésia Francesa, mostrou que havia casos em que o paciente estava já curado da doença, mas o vírus permanecia no sêmen. Sylvia, no entanto, diz que é preciso que mais estudos se aprofundem para comprovar essa hipótese.
Entenda a diferença da intensidade de sintomas entre os vírus da dengue, chikungunya e zika:

SintomasDengue Chikungunya Zika 
Febre++++++++++
Dores no corpo e nas articulações+++++++++
Erupções na pele+++++++
Dor atrás dos olhos+++++
Conjuntivite0++++
Linfadenopatia (Ínguas)+++++
Hepatomegalia (fígado inchado)0+++0
Leucopenia/Trombopenia (glóbulos brancos e plaquetas baixos)++++++0
Hemorragias+00
Fonte: Adaptado de Halstead SB e al. Am J Trop Med Hyg, e Yap State Department of Health Services
IG
Compartilhe no Google Plus