Embratur pede menos entraves no turismo durante a abertura da BNT Mercosul

Vinicius Lummertz afirma, na maior feira turística de Santa Catarina, que é preciso liberar o ambiente de negócios para deixar o turismo se desenvolver

Representando o ministro do Turismo, Marx Beltrão, o presidente da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), Vinicius Lummertz, afirmou na abertura da BNT Mercosul, em Itajaí, nesta sexta-feira (26), que a burocracia "vem causando sérios entraves no nosso setor e que é preciso liberar esse ambiente de negócios porque o Brasil precisa, cada vez mais, do turismo para promover seu desenvolvimento e gerar emprego e renda". Lummertz elogiou as palavras do diretor do evento, Geninho Goes, que conclamou "todos aqueles que trabalham, todos os que são éticos, todos os que são de bem, para que a gente construa um Brasil melhor e honesto".
Lummertz ao lado do secretário de Turismo de SC, Leonel Pavan; 
do diretor  da BNT Mercosul, Geninho Goes;  e de "piratas" que 
também promoviam  o turismo do Estado na feira. Fotos: Mafalda Press

A BNT vai receber, até este sábado (27), 350 marcas, 40 grupos de famtours do Brasil e do exterior e 6 mil profissionais de turismo. "O turismo pode ser a grande alavanca da economia brasileira porque temos o melhor potencial de todo o planeta", lembrou Lummertz.

"Em Santa Catarina, temos uma história de sucesso nesse setor e muito se deve também ao Sebrae, que prepara a micro e pequena empresa turística. Temos aqui ao lado do pavilhão da feira uma excelente marina e poderíamos ter dezenas delas em Santa Catarina e centenas no Sul do País se não fossem entraves burocráticos que também impedem o desenvolvimento de parques temáticos, cidades históricas, parques naturais e uma série de outros equipamentos turísticos", destacou. Segundo Lummertz, é preciso liberar esse ambiente de negócios agora para que ele seja o grande parceiro do desenvolvimento do Brasil.

Na ocasião, o presidente da Embratur informou sobre a promoção, nos próximos dias, das primeiras ações e visitas do programa 'O Sul é o meu destino': "Com ele, esperamos para essa região a visibilidade necessária para receber turistas nacionais e estrangeiros", informou.

Lummertz afirmou ainda que não é só o Brasil que está acordando para a lógica do turismo como fonte de recursos para garantir desenvolvimento. "Países como o Japão estão fazendo investimentos enormes porque sabe que esta é a grande saída para o futuro, a saída que a indústria não poderá prover nos próximos anos. Mas o turismo pode ajudar a indústria mais do que qualquer outro setor, porém precisa estar livre para o empreendedor e o poder público poderem oferecer a infraestrutura necessária ao setor".

Via Embratur
Compartilhe no Google Plus