Exemplo: Ato anticorrupção na Cinelândia reúne 2,5 mil pessoas

Cerca de dois mil e quinhentos manifestantes, segundo estimativa da Polícia Militar, estiveram concentrados na Cinelândia, no Centro do Rio, para participar do protesto "Todos Juntos Contra a Corrupção". Para os organizadores, este número chegou a cinco mil.

Durante o evento circulou um documento para recolher assinaturas com a intenção de acelerar um projeto que tramita no Congresso e que prevê que a corrupção se torne um crime hediondo. Até o início da noite não havia estimativa de quantas assinaturas foram recolhidas.


O policiamento na região foi reforçado, mas a Polícia Militar não divulgou o efetivo, alegando "uma questão estratégica". Além da PM, havia homens da Guarda Municipal e da CET-Rio para garantir a segurança da população.

Onde está a união do povo brasileiro? Basta de corrupção

Entre os manifestantes, André Luiz dos Santos, 50 anos, chamava a atenção. De braços abertos diante de uma cruz posicionada bem em frente à Câmara dos Vereadores, André, que já havia feito uma greve de fome durante três dias no STF por conta da aprovação da Lei da Ficha Limpa, veio de Monte Nova, em Minas Gerais, especialmente para protestar, desta vez contra a corrupção.


- Onde está a união do povo brasileiro? Basta de corrupção - dizia o manifestante.

O carro de som dos manifestantes estava estacionado em frente à escadaria da Câmara dos Vereadores, onde algumas pessoas empunhavam faixas pedindo o fim da corrupção e do nepotismo. Adesivos também foram distribuídos a quem passava pelo local.

A organização do movimento contou com a participação de alguns artistas, entre eles, Frejat, Zé Renato, Dado Villa-Lobos, Fernanda Abreu e Tim Rescala.

Políticos se juntam a manifestantes no ato

O ex-deputado federal Fernando Gabeira (PV-RJ) esteve presente no ato "Todos Juntos Contra a Corrupção", na Cinelândia, Centro do Rio. Gabeira andou entre os manifestantes com uma máquina fotográfica fazendo fotos para o próprio blog.

- O Brasil tem crescido e pode crescer muito mais. A corrupção é um obstáculo para este crescimento. Perdemos muito dinheiro com a corrupção. Alguns dados indicam que em sete anos perdemos o equivalente ao PIB da Bolívia, algo em torno de R$ 40 bilhões de reais. Isso significa dinheiro que poderia ir para a luta contra a miséria, por exemplo - afirmou.


Manifestantes empunham vassouras em alusão à faxina em frente à Câmara dos Vereadores, na Cinelândia - Foto de Cássio Bruno

Fernando Peregrino, que foi candidato ao governo do Rio pelo PR no ano passado, também esteve presente no ato e disse que o deputado federal Anthony Garotinho não compareceu ao evento porque está em Brasília. Outro partido, o PSTU, aproveitou para distribuir folhetos.


Alguns manifestantes chegaram ao local com vassouras e, em frente à Câmara, gritavam "faxina, faxina". Do carro de som, as palavras de ordem eram "cambada de ladrão, cadê o dinheiro para a Saúde e a Educação"?

Soldados do Corpo de Bombeiros aderem à manifestação e aproveitam para protestar contra Cabral


No início da noite, manifestantes do Corpo de Bombeiros chegaram à Cinelândia e uniram-se ao ato e aproveitaram a ocasião para protestar contra o governador Sérgio Cabral.

O deputado estadual Marcelo Freixo e o vereador Elyomar Coelho, ambos do PSOL, também estiveram presentes no ato.

Freixo foi censurado por uma manifestante que virou para ele e disse:

- É uma vergonha, isso é uma manifestação apartidária!

O deputado respondeu:

- Minha senhora, estou aqui como cidadão. Isso é um movimento popular. A senhora é uma autoritária.


Ato termina com manifestantes cantando Hino Nacional


Os organizadores encerraram o ato às 19h50m e, junto com os manifestantes, cantaram o Hino Nacional Brasileiro. Antes, discursaram os cantores Fernanda Abreu, Tico Santa Cruz e Frejat.

O ex-Barão Vermelho foi bastante aplaudido ao afirmar em cima do carro de som que o brasileiro não vai mais tolerar a corrupção.

Já o cantor Tico Santa Cruz disse que os políticos deveriam começar a usar o Sistema de Saúde público para saber o que o povo passa.

- Quando encontrarmos um desses políticos na rua, temos de chamá-lo de corrupto porque se ele lê no jornal, não se envergonha. Mas se agente chama ele de corrupto na frente do filho, ele vai sentir.

Os organizadores da manifestação anunciaram que no dia 12 de outubro haverá um novo ato, desta vez na orla de Copacabana, mesmo dia marcado para manifestações em Brasília e em São Paulo.



Com informações: O Globo
Compartilhe no Google Plus