Celebrando a vida, por Paiva Netto

Celebrando a vida
Paiva Netto
 
Dois de novembro é dia de celebrar a vida. Respeitamos o gesto dos que vão reverenciar os mortos, em visita a túmulos de parentes e amigos. Porém, acreditamos que a destinação de nosso Espírito, depois de se despedir do corpo físico, é muito superior. Por isso, convidamos todos a lembrar-se dos entes queridos com a natural saudade de sua companhia, mas sem tristeza e enviando-lhes, acima de tudo, vibrações de amor e paz, porquanto, para alegria nossa, permanecem vivos.
Aos que porventura se encontram desesperados pela perda de um familiar ou pessoa amiga, vislumbrando até no suicídio o alívio para suas dores, aproveito o ensejo para esclarecer: O suicida mata-se à procura da paz, todavia, depara com o maior tormento, algo pior que o nada, que, por sua vez, não existe, pois a vida não cessa. Os mortos não morrem!
 
José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor.
 
Compartilhe no Google Plus