USP despenca em ranking de melhores universidades do mundo

Marcos Santos/ USP
USP quase ficou de fora do top 100 no ranking deste ano
Única brasileira de Top 100 da lista, elaborada com base em consultas a mais de 10 mil acadêmicos, universidade caiu ao menos 40 posições em relação ao ano passado.
A Universidade de São Paulo (USP) caiu ao menos 40 posições no Top 100 das melhores universidades do mundo segundo sua reputação, um ranking elaborado anualmente pela Times Higher Education, a principal publicação dedicada ao ensino superior no Reino Unido.
Única representante do Brasil na lista, a instituição quase ficou de fora do top 100 em 2016, ficando entre as posições 91 e 100. Em 2015, a USP ficou na faixa entre os lugares 51 e 60.
Ainda assim, a universidade é a melhor avaliada em toda a América Latina; não há nenhuma outra instituição de ensino superior da região relacionada na lista.
O ranking foi elaborado com base em consultas a mais de 10 mil acadêmicos convidados ao redor do planeta. Cada participante indicou as 15 universidades que acreditava ter o melhor ensino e pesquisa em suas áreas de atuação.

Harvard lidera

Neste ano, a Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, manteve-se na primeira posição do ranking, que tem um novo vice-líder, também americano: o Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT, na sigla em inglês), que no ano passado ocupava a quarta posição.
Outras seis universidades dos Estados Unidos e duas do Reino Unido completam o top 10.
BBC
.

Boa performace asiática

 O outro destaque de 2016 ficou por conta das instituições asiáticas. A região passou a ter 18 universidades entre as cem melhores, bem acima das dez do ano passado.
A mais bem colocada foi a Universidade de Tóquio, no Japão, em 12º lugar, enquanto a Universidade de Tsinghua e a Universidade de Peking subiram oito e 11 posições, para o 18º e o 21º lugar respectivamente.
Os dois países são as nações da Ásia com o maior número de representantes na lista, com cinco cada uma, enquanto a Coreia do Sul e Hong Kong passaram a figurar no ranking com uma instituição cada.
Para Paul Blackmore, professor de ensino superior do King's College, no Reino Unido, a boa performance asiática se deve a uma combinação de "crescimento de seus sistemas universitários" e "do maior reconhecimento na comunidade acadêmica".
"Tivemos uma visão anglo-saxônica do ensino superior por muitos anos, mas isso não se manterá por muito tempo", disse.
UOL
Compartilhe no Google Plus