Satélite PLATO buscará “outras Terras” em sistemas solares gêmeos do nosso

Estão prontos os primeiros detectores luminosos dos telescópios que serão colocado em órbita para buscar planetas semelhantes à Terra

Previsto para ser lançado em 2026, satélite PLATO irá identificar planetas com características semelhantes à Terra por meio de seu trânsito pelas estrelas que orbitam – Foto: Divulgação / ESA

A busca por planetas semelhantes à Terra que podem ser habitáveis acaba de registrar um importante avanço. A Agência Espacial Europeia (ESA) anunciou que recebeu os primeiros detectores de luz para os telescópios do satélite que irá rastrear sistemas solares “gêmeos” do nosso Sistema Solar. Conhecido como PLATO, sigla em inglês para Planetary Transits and Oscillation of stars (transito planetário e oscilação das estrelas), o satélite deverá ser lançado em 2026. O projeto, coordenado pela ESA, tem a contribuição de cientistas e engenheiros de dez instituições de ensino e pesquisa brasileiras, entre elas a USP.

O professor Eduardo Janot Pacheco, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG), que coordena a participação brasileira no projeto, explica que o satélite irá identificar planetas por meio de seu trânsito pelas estrelas que orbitam. “Quando o planeta passa em frente da estrela, ele projeta uma sombra, fazendo um eclipse”, diz. “Como os planetas rochosos, semelhantes à Terra e que se encontram dentro da zona habitável, são extremamente pequenos em relação às estrelas, é preciso ter uma precisão muito grande para detectá-los.”

De acordo com Janot Pacheco, o PLATO terá um conjunto de 26 telescópios, e cada um receberá quatro unidades de detectores de luz, conhecidos como Charge Coupled Devices (CCDs). “Esses dispositivos são utilizados em câmeras digitais e estarão presentes no satélite numa versão mais avançada”, conta, “capaz de detectar com altíssima precisão qualquer mudança no brilho das estrelas causado por um ou mais planetas se movendo à sua frente”.

Modelo do satélite PLATO, equipado com um conjunto de 26 telescópios, que será colocado em órbita acima da atmosfera – Foto: Divulgação / ESA

Altíssima resolução

A ESA recebeu os primeiros 20 CCDs, produzidos no Reino Unido, para testar se estão dentro das especificações exigidas para o PLATO, e o conjunto completo deverá ser entregue até o final de 2020. Cada CCD possui resolução de imagem de 20 megapixels, similar ao de câmeras digitais de tamanho médio, capazes de fazer medições do brilho das estrelas a cada 2,5 segundos. Somados todos os conjuntos de CCDs instalados nos telescópios, o satélite terá uma área total de detecção de 2.12 gigapixels.

“Todo o sistema foi desenvolvido para assegurar a descoberta de planetas similares à Terra na zona habitável, ou seja, que possuam água líquida na superfície”, destaca o professor. Por meio dos dados obtidos pelo PLATO, também serão estudadas as propriedades das estrelas que os planetas orbitam, além da realização de cálculos de massa, tamanho e idades planetárias. “Como o satélite estará posicionado acima da atmosfera terrestre, não haverá instabilidades que prejudiquem a qualidade das investigações.” O lançamento do PLATO está previsto para o ano de 2026.

Um dos detectores de luz que será instalado no satélite PLATO; cada um dos 26 telescópios instalados no satélite terá quatro detectores, que farão medições do brilho das estrelas a cada 2,5 segundos – Foto: Divulgação / ESA

Além do IAG, também participam do projeto a Escola Politécnica (Poli) da USP, a Universidade Estadual Paulista (Unesp), Universidade Presbiteriana Mackenzie, Instituto Mauá de Tecnologia, Observatório Nacional, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). “O Brasil está contribuindo com software, hardware e ciência num projeto espacial científico internacional”, destaca o professor. “O sistema de controle de altitude atitude do satélite, por exemplo, foi desenvolvido na Poli e o Instituto Mauá de Tecnologia está reproduzindo uma parte da eletrônica das medidas fotométricas.”

Por Júlio Bernardes
Jornal da USP
Editor local: Willen Benigno de Oliveira Moura
Compartilhe no Google Plus