Covid-19: Incerteza econômica na Alemanha continua em 2021

Imagem: Pixabay

A economia alemã contraiu -5,0% em 2020, apesar da resiliência do setor manufatureiro. Com as restrições notavelmente mais rígidas, o passeio pela “montanha-russa econômica” vai continuar em 2021, segundo relatório divulgado por economistas da seguradora Euler Hermes. Ao longo do ano, a economia alemã se moverá em um ritmo rápido por toda a paleta do ciclo econômico, desde a crise econômica de curto prazo no primeiro trimestre até o boom de consumo impulsionado pela vacina contra Covid-19 no segundo semestre do ano.

De acordo com a análise da seguradora, é esperado que o sequenciamento se desdobre da seguinte forma:



Forte desaceleração no primeiro tri de 2021

Por enquanto, o lockdown mais severo, que inclui o fechamento de escolas e comércio não essencial, foi confirmado até o final deste mês. No entanto, a julgar pelo desenvolvimento da pandemia – elevado número de novos casos de Covid-19 e altas taxas de ocupação da UTI, junto com as crescentes preocupações sobre a disseminação da cepa B1.1.7 altamente infecciosa – a equipe da Euler Hermes acredita que a flexibilização das restrições ganhe força apenas em março, no mínimo.

“Com cada semana de bloqueio custando à economia alemã cerca de EUR 4 bilhões - reduzindo até -0,5% do crescimento trimestral - um notável retrocesso do PIB é quase certo, embora as perspectivas do setor manufatureiro devam permanecer favoráveis”, acredita a economista-sênior Katharina Utermöhl.




Ressurreição econômica técnica no segundo tri de 2021

De acordo com a análise, a economia da Alemanha só sairá da “hibernação” quando a Páscoa chegar, pois os efeitos sazonais mais favoráveis (temperaturas mais altas), juntamente com o progresso na campanha de vacinação, permitirão um afrouxamento gradual das restrições e, por sua vez, o desencadeamento da demanda reprimida durante os meses do inverno europeu.

Os efeitos de base devem ajudar a impulsionar a taxa de crescimento trimestral para +3% t / t - a expansão trimestral mais forte do PIB já registrada, excluindo a observada no terceiro trimestre de 2020.

Expansão dos gastos sociais no terceiro e quarto tri de 2021

O afrouxamento das restrições da Covid-19 a partir do segundo trimestre e a vacinação da população até primeira metade do ano, prepara o cenário para a economia alemã se recuperar, com o crescimento do PIB provavelmente registrando +2% t/t no segundo semestre.

“À medida que as incertezas sobre as perspectivas econômicas diminuem, a situação relativamente sólida do mercado de trabalho - a taxa de desemprego deve chegar a 5,8% em 2021 após 5% em 2019 e 6% em 2020 - é um bom presságio para a implantação de poupanças preventivas. Como resultado, esperamos que a taxa de poupança se mova em direção ao seu nível pré-pandemia no final do ano”, afirma a economista.

Além disso, os "gastos sociais" devem se beneficiar, o que impulsionará a reconvergência entre os setores de serviços e manufatura. No geral, a Euler Hermes mantém a previsão de crescimento do PIB de +3,5% em 2021 - ao mesmo tempo em que reconhecem os crescentes riscos de baixa para o primeiro semestre, caso o bloqueio seja prolongado, e, para o segundo semestre, caso a implementação da vacinação fique abaixo das expectativas.

Já para 2022, é esperado que o crescimento do PIB permaneça acima do potencial, em +3,8%, uma vez que a obtenção da imunidade em massa permitirá um retorno à normalidade econômica, enquanto a política monetária e fiscal permanece favorável. Como resultado, a economia alemã deve atingir seu nível de PIB pré-crise no primeiro semestre de 2022, enquanto outras economias da Zona do Euro, incluindo Espanha e Itália, precisarão de mais um ano para se recuperar.
Compartilhe no Google Plus