Presidente do STJ confirma que está em lista de autoridades hackeadas

Marcello Casal jr/Agência Brasil

O ministro João Otávio de Noronha disse que não tem nada a esconder

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, confirmou hoje (25) que foi alvo da atuação de hackers. Segundo o ministro, o fato foi comunicado pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro.

De acordo com a Polícia Federal (PF), os quatro presos na terça-feira (23), sob a acusação de invasão do celular de Moro, também teriam roubado dados de mil vítimas, entre elas, diversas autoridades do Legislativo, Judiciário e do Executivo.

Segundo Noronha, Moro informou que o nome dele está na lista da PF de autoridades hackeadas. Em nota, o presidente declarou que pouco utilizava o aplicativo Telegram, principal alvo dos roubos de dados, e que não tem "nada a esconder".

Íntegra da nota

"​O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, confirma que recebeu a ligação do ministro da Justiça, Sergio Moro, informando que o seu nome aparece na lista das autoridades hackeadas. O ministro do STJ disse que está tranquilo porque não tem nada a esconder e que pouco utilizava o Telegram.

O ministro Moro informou durante a ligação que o material obtido vai ser descartado para não devassar a intimidade de ninguém. As investigações sobre o caso são de responsabilidade da Polícia Federal, a quem cabe responder sobre o caso."​

Mais cedo, o Ministério da Justiça confirmou que o presidente Jair Bolsonaro também teve seu celular invadido.
Polícia Federal

Em nota, a Polícia Federal afirma que as investigações não têm como objeto a análise das mensagens supostamente subtraídas de celulares invadidos. A PF garantiu ainda que mensagens que venham a ser localizadas no material apreendido serão preservadas e que caberá à Justiça, em momento oportuno, definir o destino do material.

Assista na TV Brasil: Hackers invadem o celular de Bolsonaro e de outras autoridades


Por André Richter - Agência Brasil | Edição: Liliane Farias
Compartilhe no Google Plus