Pesquisadores demonstram beneficios do lítio para idosos com Alzheimer

Experimentos foram feitos em células humanas e de camundongos

Imagem relacionada
Imagem: Noticias ao Minuto

Pesquisa desenvolvida no Brasil, em colaboração com cientistas estadunidenses, avança no entendimento dos efeitos benéficos do lítio para idosos com Alzheimer, doença que causa uma deteriorização do funcionamento cerebral com perda de funções cognitivas, prejuizos de atenção, memória e inteligência, dentre outros efeitos. Novos resultados de experimentos feitos em células cerebrais humanas e em camundongos apontam que o medicamento retarda o envelhecimento celular, um dos fatores relacionados a essa e outras doenças neurodegenerativas.

Trabalhos anteriores do grupo já haviam demonstrado que, quando administrado em doses muito pequenas, o metal ajuda na manutenção da memória de idosos com Alzheimer. O lítio também é usado como estabilizador de humor para pacientes com transtorno bipolar e depressão. O estudo contou com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

A pesquisadora Tânia Viel, professora da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (USP), testou o efeito do medicamento em células cerebrais humanas. Parte da amostra, à medida que sofria envelhecimento celular natural, era tratada com lítio; a outra não recebia nenhum tratamento. “Observamos que o envelhecimento foi bastante reduzido nas culturas que receberam o lítio”, apontou.

Em outro teste, os cientistas observaram o efeito do metal em camundongos à medida que envelheciam. “Os animais tratados com lítio desde pequenos mantiveram toda a formação da memória”, explicou.

Esses resultados confirmam estudos clínicos feitos anteriormente com um grupo de pacientes idosos diagnosticados com Alzheimer. Metade deles recebeu microdoses de lítio, de 1,5 miligrama por dia. Para pacientes com transtorno bipolar, por exemplo, a dosagem é de pelo menos 60 miligramas. Os demais voluntários tomaram placebo, ou seja, não tinham acesso ao remédio, mas achavam que estavam medicados. Os idosos foram acompanhados durante um ano e meio.

“A partir do terceiro mês, a memória dos pacientes tratados com lítio estabilizou. No outro grupo, o desempenho foi decaindo. O tratamento foi mantido por mais um tempo, para termos certeza do efeito observado. A partir do momento que comprovamos essa diferença, passamos a dar lítio para todos”, apontou Tânia em entrevista à Fapesp.

Esse estudo começou depois que a médica Marielza Nunes, que integra o grupo, observou melhora na memória de idosos que tomavam microdoses de lítio como complemento alimentar. Alguns metais podem ser receitados também para suprir deficiências nutricionais.

Tânia destaca que os estudos avançam cada vez mais em evidências da eficácia do lítio para impedir o envelhecimento de células cerebrais. “Mas só quem pode realmente medicar para os idosos são os médicos. O que a gente faz é dar subsídios para que a classe médica possa um dia indicar o lítio para os idosos. A gente tem esperança de que seja um caminho para estabilização da doença [de Alzheimer] ou até reversão, dependendo dos próximos passos”, alerta.

Continuidade

Os testes continuam com outros modelos celulares e novos testes em pacientes. O lítio será testado no contexto das diferentes hipóteses que explicam o Alzheimer, tendo em vista que não são conhecidas exatamente as causas da doença. Posteriormente, grupos de idosos com e sem a doença serão acompanhados para observar a diferença entre eles. A ideia é entender quais são os agentes protetores do cérebro de idosos saudáveis.

Por Camila Maciel – Agência Brasil | Edição: Bruna Saniele
Editor Local: Willen Benigno
Compartilhe no Google Plus