Estrutura das raízes é essencial para boa produção de milho na safrinha, afirma técnico da Brandt

A safra de grãos 2019/2020 ainda está sendo colhida, mas já é recorde, com 251 milhões de toneladas – 10 milhões de toneladas a mais que a anterior. Esse avanço é impulsionado por várias culturas, inclusive o milho, que ultrapassou 100 milhões de toneladas.



“O milho é a segunda maior cultura agrícola do Brasil, ficando atrás apenas da soja. Esse grão tem grande importância econômica, não só para a manutenção da oferta de alimentos para humanos e animais como para a produção de bioenergia, já que a participação do cultivo na composição do etanol aumenta ano após ano”, destaca o técnico de desenvolvimento de mercado da Brandt no Brasil, Pedro Afonso.

Para que os números do milho se mantenham em constante crescimento, é preciso atenção especial às estruturas vegetais. Dentre elas, a raiz tem papel fundamental no desenvolvimento, sanidade e produtividade. “Isso acontece porque o sistema radicular, além de fixar as plantas ao solo, realizam a absorção de água e dos nutrientes essenciais para a planta”, explica Pedro Afonso.

“Uma estrutura radicular bem desenvolvida permite que as plantas atravessem com mais facilidade condições ambientais adversas, como por exemplo os veranicos, além de ter o potencial de captar mais água e nutrientes”, salienta.

Temperatura, salinidade, umidade e compactação do solo, dentre outros, são fatores que podem atrapalhar o desenvolvimento radicular do milho, assim como a qualidade da germinação e do vigor inicial. Alguns herbicidas, detalha Pedro Afonso, também podem causar danos permanentes às raízes. “O que pode abrir portas para doenças e pragas, impactando o ciclo e prejudicando a produção”, diz.

Nesse cenário, é muito importante manter as raízes em pleno desenvolvimento “pois a quantidade de água e nutrientes disponíveis para as plantas é diretamente proporcional a porção do solo explorado pelas raízes, o que dará condições da cultura expressar seu potencial produtivo”, assinala o especialista da Brandt. Para ele, o cuidado e investimento para o crescimento precisa ser intensivo na base estrutural da planta. Pensando nisso, a Brandt apresenta aos produtores duas soluções que podem auxiliar o desenvolvimento radicular

Com aminoácidos livres de alta absorção e efeito rápido, Brandt Genesis contém zinco e molibdênio, micronutrientes que atuam, respectivamente, no crescimento de raízes novas e na metabolização de nitrogênio.

Já Smart Trio, além de nutrientes importantes, como o boro, manganês, zinco nitrogênio e enxofre, com a tecnologia exclusiva Smart System, a qual garante uma alta absorção e translocações desses nutrientes, além de mitigar os efeitos deletérios de alguns herbicidas. “Pesquisas realizadas no Brasil e nos Estados Unidos indicam que este produto pode gerar altos retornos em produtividades, como foi o caso do recordista mundial David Hula, o qual colheu 644,5 sacas por hectare em uma área preparada para competição”, finaliza Pedro Afonso.

Sobre a Brandt

A Brandt é subsidiária da norte-americana Brandt, que atua desde 1953 na fabricação de insumos para diversas culturas. Especialista em nutrição vegetal, a empresa está presente em mais de 65 países, com tecnologias inovadoras. A companhia está há cinco anos no Brasil, com sede administrativa em Londrina (PR) e fábrica em Olímpia (SP).
Compartilhe no Google Plus