Inovação e telemedicina pautam o setor de Saúde durante e pós-pandemia

Inovação é a palavra da vez no setor de Saúde, desde que a pandemia do novo coronavírus se instalou no mundo e colocou à prova os sistemas médicos de todos os países. No Brasil, isso não foi diferente, com as tecnologias 4.0 ganhando destaque principalmente por conta do sucesso da telemedicina, que foi implantada em razão da necessidade e, segundo especialistas, veio para ficar.


A falta de estímulos à indústria nacional, os baixos investimentos em inovação, a dependência da importação de suprimentos e um ambiente regulatório desfavorável, porém, são fatores que inibem o desenvolvimento da indústria de dispositivos médicos. 

“A Saúde entrou na agenda da sociedade por urgência e necessidade e mostrou a importância do assunto para todos nós. É um grande momento de incorporarmos as novas tecnologias que se apresentam e evoluirmos como um player importante no mercado internacional”, afirma Fernando Silveira Filho, presidente da ABIMED.

Autorizada em caráter de emergência, por conta do isolamento, a Telemedicina se mostrou eficaz e fez com que médicos tivessem de se preparar para o uso de novas plataformas e tecnologias. “O fato é que a telemedicina ganhou uma enorme relevância entre a população. A aceitação tem sido muito boa, os profissionais de saúde se adaptaram rapidamente e a solução se mostrou uma excelente forma de reduzir o gap de atenção primária”, explica Silveira. 

Estudos do setor de saúde já mostram que é possível reduzir internações de pacientes crônicos pela metade e diminuir urgências em 40% a partir do uso da telemedicina. Ao mesmo tempo, pesquisas da Market Research Future apontavam (em um levantamento pré-pandemia) que este era um mercado capaz de crescer 29,8% até 2023 e segundo a Global Market Insights o mercado está avaliado em US $ 175,5 bilhões até 2026. 

Especialistas no país e exterior destacam que a telemedicina poderá, num futuro não muito distante, levar a saúde a todos os lugares, sendo uma nova realidade para pacientes que não terão mais de ir a hospitais físicos. Além disso, o sistema de atendimento veio para ficar e de forma colaborativa, beneficiando pacientes e profissionais de saúde

Inteligência artificial, robótica, IoT, Big Data e 5G são outros exemplos de tecnologias 4.0 que tiveram a sua disseminação acelerada no mercado brasileiro por conta do isolamento. Nesse contexto, as startups chegam com fôlego e criatividade para inovar e desenvolver soluções, acelerando processos que muitas vezes podem ser morosos dentro de grandes corporações.

“Temos que ficar atentos a esses movimentos e aproveitar as oportunidades que estão se criando. Os benefícios das tecnologias 4.0 são muitos e quem não acompanhar essa evolução não conseguirá se posicionar no mercado pós-pandemia”, finaliza o presidente da ABIMED.

Sobre a ABIMED


A ABIMED – Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Produtos para Saúde – congrega empresas nacionais e multinacionais que representam cerca de 65% do setor de equipamentos e dispositivos médicos no Brasil (0,6% do PIB nacional). A Associação tem como princípio contribuir para a promoção de um ambiente saudável, sustentável e propício à inovação tecnológica e à competitividade de suas associadas nos mercados local e global, bem como contribuir para o desenvolvimento do setor de saúde no Brasil, com foco no paciente, propiciando à população brasileira acesso a tecnologias de saúde inovadoras e de alta performance. A ABIMED possui em seu DNA a ética e a transparência que pautam sua atuação na representação da indústria, sendo a primeira entidade do setor a lançar um Código de Conduta para seus associados.
Compartilhe no Google Plus